Vencedor do Oscar, Michael Caine, diz: “Você não pode votar em um ator só porque ele é negro”

O ator Michael Caine, duas vezes vencedor do Oscar, considerou a controvérsia da diversidade da premiação dizendo, em uma entrevista recente, que – enquanto ele, pessoalmente, acredita que um ator negro, em particular, deveria ter sido indicado à cerimônia deste ano – “você não pode votar em um ator só porque ele é negro”.

 

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas foi criticada por indicar exclusivamente atores brancos nas categorias de melhor ator no Oscar deste ano, repetindo a controvérsia #OscarsSoWhite (#OscarMuitoBranco) do ano passado. Os cineastas Spike Lee e Michael Moore e os atores Will e Jada Pinkett Smith decidiram não comparecer à cerimônia de 28 de fevereiro em protesto, enquanto outros simplesmente têm denunciado verbalmente a Academia pela falta de diversidade no processo de indicação.

 

Porém, em uma entrevista com Nick Robinson da BBC Radio 4, Caine disse que a qualidade da performance vale mais que a cor de pele do ator quando se está considerando os indicados ao Oscar.
“Há muitos atores negros”, disse a estrela de 82 anos do filme Youth. “Você não pode votar em um ator só porque ele é negro. Você simplesmente não pode dizer ‘Eu vou votar nele. Ele não é muito bom, mas é negro. Votarei nele.’ Você tem que ter uma boa performance.”

 

Caine, que já foi indicado ao Oscar seis vezes e venceu duas, disse ter pensando que Idris Elba seria indicado por seu papel como o sádico Comandante no drama Beasts of No Nation, da Netflix. Quando Robinson revelou que Elba não foi indicado este ano, Caine protestou.

 

“Bem, olha para mim”, disse Caine. “Eu venci o [Prêmio de Cinema Europeu] de melhor ator e não fui indicado por mais nada.” O filme de Caine Youth foi indicado apenas a um Oscar: de Melhor Canção Original.

 

Caine disse que o melhor conselho que ele pode dar aos atores de minorias é “tenham paciência”.

 

“É claro que virá”, diz. “Levei anos para conseguir um Oscar.”

 

Desde que a Academia anunciou os indicados, vários atores, atrizes e produtores explodiram em protesto contra a premiação por sua falta de diversidade, incluindo David Oyelowo, George Clooney, Lupita Nyong’o, Dustin Hoffman e Mark Ruffalo. O produtor executivo de Straight Outta Compton: A História de N.W.A, Will Packer, chamou a falta de indicações de pessoas negras de “completa vergonha”, enquanto o Reverendo Al Sharpton convocou americanos ao redor do mundo a “desligar” a TV em protesto.

 

Entretanto alguns defenderam a Academia no meio desse assédio midiático.

 

Em entrevista à Variety, o diretor de Os Donos da Rua, John Singleton, disse que “há poucas vagas” para indicações e que essas indicações vão para filmes e performances os quais a Academia sente que devem ser reconhecidos. Singleton, que se tornou o primeiro afroamericano a ser indicado como Melhor Diretor pelo filme de 1991, disse que o processo de indicação da Academia é “quase como uma loteria”.

 

“Todo ano as pessoas reclamam”, disse o diretor. “As pessoas reclamam até quando há muitas indicações. Isso é o que é. Eu estive nesse mesmo jogo por 25 anos. Nunca se sabe – é a sorte trabalhando para você. Para mim, não estou surpreso. Também não estou decepcionado como as outras pessoas estão. Ocorre uma exaltação dos trabalhos.”

 

Falando ao Hollywood Reporter, o vencedor do Oscar e produtor de A Lista de Schindler, Gerald Molen, também defendeu a Academia e chamou o crescente movimento de boicote contra o Oscar de “ridículo”. Molen disse que seria difícil acreditar que membros da Academia não estão votando por atores de minorias por causa da cor de pele.

 

“Numa cidade esquerdista como Hollywood, isso faz tanto sentido quanto dizer que todos os membros da Academia votam em Republicanos”, brincou.

Tradutor: Luiz Felipe Costa

Revisores: Jonatas e Gleice Queiroz

Artigo original: http://www.breitbart.com/big-hollywood/2016/01/22/michael-caine-on-white-oscars-you-cant-vote-for-an-actor-because-hes-black/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *