Uma Crítica ao Construcionismo Social e Pós Modernismo da Ideologia de Gênero

Por Rictor Norton [*]

Jargão e Obscurantismo

A aparente ininteligibilidade da ideologia de gênero é, muitas vezes, perdoada por ser apenas mais outro exemplo de conceitos e linguagem difíceis, estes necessariamente empregados por pensamentos de alto nível de abstração. Por exemplo, um membro da lista QSTUDIES escreveu: “Há uma tendência entre os teóricos de todos os tipos de se perderem na meta-discussão. Cobrar esta autocrítica especificamente dos teóricos de gênero é receber nada em troca.” Outro colaborador escreveu: “Você não tem que ser anti-teoria, todavia, para ser crítico de uma teoria que é obscura e desnecessariamente recheada de jargões”. Outro escreveu: “A sugestão a ser feita é a de que seja realizado o trabalho de “traduzir” a ideologia de gênero, despindo-a do academicismo, e eu aplaudo esse esforço, porque isso ajudará qualquer homossexual a dar sentido à sua condição.” E outro escreveu: “Se [Daniel Harris, que infligiu uma fraude à Lista] queria criticar ‘a ideologia de gênero’ pelo uso de termos complicados que causam confusão, ele poderia ter redigido um artigo mais perspicaz acerca de como explorar as questões que estavam a surgir, na tentativa de traduzir-se a ideologia de gênero em um vocabulário mais acessível.”

Eu simpatizo com qualquer apelo por uma maior clareza, mas inquiro-me se a abstração em si mesma caracteriza com precisão a natureza do discurso da ideologia de gênero. Parece-me que há uma diferença marcante entre a tradição analítica da filosofia tradicional e da postura “teórica” do discurso da ideologia de gênero pós-moderna. Livros de elevado nível sobre filosofia, economia e sociologia, muitas vezes são de fato sem substância, e com frequência fazem uso de jargões. Mas eles também têm um grande cuidado para definir seus termos da forma mais precisa quanto possível. Muitos dos termos técnicos que eles empregam — por exemplo, instanciação ou explanação — podem ser encontrados normalmente em um dicionário decente e, geralmente, são usados na forma precisamente definida no dicionário. Estritamente falando, o discurso filosófico tende a ser difícil, ao invés de ser ininteligível.

Este não é o caso do discurso da ideologia de gênero. O discurso pós-moderno da ideologia de gênero é repleto de termos que significam quase o exato oposto do que eles normalmente significam (por exemplo, “genealógico” no sentido não-genealógico de Foucault, ou “imaginário” no sentido não-imaginário de Lacan), e, muito frequentemente, o uso especializado de tais palavras aparentemente comuns é deixado indefinido, ou a fonte utilizada não é mencionada. O problema de o jargão ser especialmente difícil na ideologia de gênero não é porque nós nunca ouvimos falar nessas palavras antes, pois muitas das palavras são comuns, mas a forma como elas são empregadas é excessivamente esquisita.

O discurso da ideologia de gênero desestabiliza regularmente a gramática, por exemplo, usando os verbos e adjetivos como substantivos, e substantivos como verbos. Um exemplo comum é a frase “blacks are othered by whites.” Esta técnica é frequentemente combinada com truques tipográficos e de ortografia estranha. Por exemplo, uma discussão sobre interpretar a mãe como Other resultando na palavra “(m)othered”. Não é de estranhar que este tipo de prática tem sido criticado como desempenho virtuosístico, em vez de uma análise cuidadosa.

Às vezes me pergunto se o repertório de sapateado que parece abranger a ideologia de gênero tem realmente qualquer conteúdo intelectual. É a teoria genuína — ou é apenas a práxis sem teoria? Elizabeth Meese em um artigo intitulado “Theorizing Lesbian: Writing — A Love Letter” (de seu livro (Sem)erotics: Theorizing Lesbian Writing) escreve assim:

Por que é que a lésbica parece uma sombra uma sombra com/na mulher, com/por escrito… Uma sombra de quem eu sou que atesta a minha existência estar lá, eu nunca estou com/fora esta lésbica. E estamos sempre transformando, desta maneira e daquela, em um lugar e no outro…o que poderia ser a auto-bio-grafia desta figura, deste escrito “lésbica”? A palavra, a letra L, e a lésbica desta auto-biografia, este autó-grafo? gosto da letra L, que contém a sua própria sombra, faz e é composta de sombra, de modo que não pode de-cifrar a coisa a partir de sua reflexão…Como então começar a dizer que lésbicas: a escrita é, para escrever a sua história, para falar da letra da carta?”

Como é que é? Qual é a diferença entre as palavras “auto-bio-grafia” e “auto-biografia”? Como é que eles diferem da palavra “autobiografia”? Será que Meese usa os hífens, porque ela não acha que não somos inteligentes o suficiente para entender a etimologia da palavra? Se assim for, por que ela coloca hífen na palavra diferentemente, aparentemente no mesmo contexto? Existe alguma maneira possível no qual nós poderíamos imaginar que a palavra “de-cifrar” pode ter um significado diferente da palavra “decifrar”? Será que a letra L tem uma sombra? Se assim for, ela tem mais sombra do que a letra S? Será que isso importa? Será que uma Safista têm menos sombra do que uma lésbica? Será que o substantivo composto “lésbica: escrita” tem um significado particular, porque o cólon é separado por espaços entre os seus elementos? Se isso acontecer, porque Meese não nos diz?

Se você não parar de ler depois dos primeiros parágrafos deste tipo de coisa (não é uma brincadeira — embora certamente se pareça com uma), você acabará por vir ao ponto central da questão sobre lésbicas serem semanticamente subjugados pelo sistema falo-logo-centrico, uma teoria apoiada por citações de Derrida, Lacan, Luce Irigary e Monique Wittig: o tipo habitual de coisa que é simultaneamente a premissa e a conclusão da teoria de gênero.

Este exemplo de Meese é um exemplo extremo desse discurso, mas não é de forma alguma um caso isolado. É parte de uma tendência geral na ideologia de gênero atribuir à mera tipografia um significado e um poder que ela realmente não possui.

Meese continua, em uma passagem especialmente relevante para a compreensão da natureza da “teorização” da ideologia de gênero:

Teorização lésbica é sempre ao mesmo tempo teórica e ‘pré’-teórica: o escritor se comporta como se soubesse o que a lésbica é, no que implica teorizar sobre o lesbianismo, apesar do que Mary Daly e Jane Caputi denominam ‘selvageria’, o que ‘não é contabilizado por quaisquer teorias conhecidas’. O ‘pré’-teórico da teorização lésbica é e não é um ‘pré’ no seu caminho para se tornar algo em si mesmo, é e não é uma etapa de antecipação antes da letra um ‘pré’-, à espera de ser ‘pós’ -. a escritora lésbica apresenta seu tema como (o) Único, na ausência de outros.”

Que tipo de escrita pré-pós-púbere é esta? Se usarmos isso como um exemplo, então considero que podemos perceber que não há como reescrever isso de uma maneira menos rarefeita ou mais inteligível e acessível: se isso fosse “traduzido”, isso simplesmente deixaria de ser ideologia de gênero. Simplesmente não há meios de se sentar com Meese e dizer, “deixe me ajudá-la a editar isso para que fique mais claro.” Ela jamais permitiria que alguém desatasse seu nó. O ponto que quero enfatizar é que reivindicações justas por esclarecimentos só podem ser aplicadas a análises convencionais – e ideologia de gênero é uma categoria completamente diferente. A teoria da ideologia de gênero não é nem uma análise e nem uma atitude. Sempre que alguém disser que vai “re-teorizar” algo, você já sabe que tem problema à vista. “Teorizar” significa basicamente “deixar as coisas mais obscuras”.

O que muitos apologistas da teorização da ideologia de gênero falham em reconhecer é que a obscuridade dessa teoria não é o resultado da falta de habilidade de escrita, mas uma estratégia deliberada para (A) confundir o oponente para superá-lo, (B) para simbolizar seu status e solidariedade com o grupo, e (C) minar a fé na linguística “representando” o que se diz ser uma característica do patriarcado tradicional. A denominação “obscurantista” parece apropriada: teorias da ideologia de gênero não são apenas obscuras, mas deliberadamente obscuras.

Apelar para a acessibilidade e a clareza é perder o foco: o teórico da ideologia de gênero escolhe deliberadamente a complexidade em vez da clareza em seu discurso, na crença equivocada de que a clareza perpetua reducionismo/essencialismo/idealismo. Devemos ter em mente que não estamos falando sobre o velho problema do jargão acadêmico, mas sobre o recente surgimento específico da escola franco-americana de desconstrucionismo/estruturalismo/construcionismo social. Teóricos da ideologia de gênero pertencem à escola da teoria do discurso (Derrida, Foucault et al. ). Ao contrário de grandes pensadores do passado (e do presente), os membros desta escola não só empregam neologismos, mas abstém-se regularmente de defini-los. Dada a escolha entre duas palavras, o teórico da ideologia de gênero vai sempre escolher a palavra que não está no dicionário. O maior elogio que um teórico de gênero pode desejar é que o seu discurso ilustra uma “pirotecnia verbal”, por neologismos e palavras criadas apenas para uma única ocasião são o nome do jogo (eu quase chamaria isso de “lúdico”).

O princípio fundamental da teoria da ideologia de gênero é “teorizar”, em vez de comunicar o conhecimento. Seu objetivo não é descobrir verdades e realidades e todo aquele lixo essencialista/empirista (“conhecimento inexistente”), mas desconstruir o discurso, transformando todas as dúvidas sobre questões concretas em uma dúvida sobre questões estratégicas. A teoria de gênero é mais um exercício de ideologia do que comunicação propriamente dita — muitos praticantes vão admitir que é uma estratégia na luta de classes pela hegemonia: o objetivo não é a análise em si, mas a análise como uma ferramenta para a mudança social.

Teóricos de gênero e teóricos culturais passaram a dominar os departamentos acadêmicos outrora conservadores, e eles não são susceptíveis a atender às solicitações para que escrevam de forma mais inteligível para não-acadêmicos e colegas que não sejam teóricos do gênero. A teoria de gênero vai perder o seu poder se cair nos antigos e chatos “Estudos Gays e Lésbicos” e no empirismo maçante que lida apenas com fatos. Eu não estou completamente certo de que teóricos de gênero percebam que a auto-imitação tornou-se auto-paródia, e que mais e mais pessoas tem uma suspeita de que todo o brilho com que descrevem a roupa do imperador não nos cegará de sua nudez.

O Binário Homossexual/Heterossexual

Teóricos de gênero muitas vezes afirmam que “a homossexualidade exclusiva é uma margem conceitualmente necessária para qualquer noção de heterossexualidade compulsória. É o “outro” culturalmente necessário, isso existe como um foco de resistência nas relações de poder que produzem tanto a si mesmo e a heterossexualidade.” Isto soa muito bem e teórico, mas eu acho que isso nunca foi verdade.

A posição psicológica/sociológica que o “eu” cria o “outro”, a fim de definir-se pode ser verdade de maneira genérica, mas a exatidão de como isso funciona em relação ao “homossexual” é problemática. A visão de que as pessoas heterossexuais se definem em relação aos homossexuais é uma afirmação teórica sem qualquer evidência histórica. Embora George Chauncey em Gay New York (1994) afirma que “em seu policiamento da subcultura gay a cultura dominante procurou acima de tudo policiar suas próprias fronteiras”, na verdade todo o seu livro é um amplo testemunho do fato de que a grande maioria das pessoas comuns ou eram indiferentes ou apenas curiosas sobre a teoria de gênero. A maior parte do policiamento que ele cita quase não teve qualquer efeito sobre homossexuais, muito menos sobre heterossexuais. A grande maioria das pessoas comuns no passado (e ainda hoje) eram indiferentes ou apenas curiosas sobre essa subcultura: elas certamente jamais os obrigaram a criar suas próprias identidades sexuais. No caso das mulheres, há realidades fisiológicas, tais como a menstruação e a gravidez, que muitos têm usado como base para a definição de sua sexualidade sem recorrer à existência de lésbicas, a fim de se definir.

Os registos judiciais e da literatura médica antiga demonstram diversas vezes que a existência de LGBTs vem como uma grande revelação para a maioria das pessoas, a maioria dos quais nunca tinha ouvido falar de tais coisas, e nem mesmo pensava sobre a possibilidade de tais coisas. A sociedade heterossexual na maior parte da história dificilmente saberia qualquer coisa sobre a sociedade LGBT se não fosse por escândalos ocasionais expostos em jornais e tribunais — e ainda assim eles conseguiram viver felizes (ou infelizes) na vida conjugal e ter famílias sem tal conhecimento do “outro”. Na verdade, ao invés de explorar o “outro” — definindo o potencial de escândalos sexuais, as autoridades muitas vezes tentam abafá-los quando percebem quantas pessoas, algumas de destaque, seriam implicadas neles. O “policiamento das fronteiras” consiste principalmente de repressão esporádica do vício quando se corre o risco deste ficar fora de controle ou de denegrir a imagem pública de uma cidade quando esta se prepara para patrocinar jogos atléticos internacionais ou feiras. Ao longo da história as pessoas e subculturas do meio LGBT foram ativamente escondidas de vista, de modo a não comprometer a definição das pessoas normais e da cultura.[1]

Mecanismos de controle social e de estruturas de poder existiram tranquilamente ao longo da história, sem o modelo de uma estrita dicotomia ou binário heterossexual/homossexual. Os binários adulto/criança e masculino/feminino, para não mencionar senhor/escravo e binários de classe, são relações de poder suficientes para a construção da heterossexualidade sem trazer o conceito de homossexualidade.

A noção simplória de que alguém deva criar homossexuais a fim de se ter uma fronteira que é parte integrante da construção de heterossexuais, ignora completamente a longa história da repressão e da censura do conhecimento sobre o crimen nefandum ou peccatum mutum, o pecado mudo.[2] A prática jurídica no início do século XVIII em Amsterdam é típica de muitos períodos e culturas: julgamento para os sodomitas eram assuntos secretos; quando sodomitas foram executados os documentos do estudo foram, por vezes destruídos para que nenhum registro permanecesse, a maioria dos sodomitas foi executada sigilosamente, ao invés de publicamente, assim como com outros criminosos; sodomitas que foram presos, foram mantidos escondidos em confinamento solitário nos porões das prisões, e não foram autorizados a misturar-se com outros prisioneiros ou de participar de trabalho penitenciário. Por exemplo, Jan Jansz, condenado em 1741 com a idade de dezessete anos, passou os seus 57 anos restantes sozinho em sua cela, sua existência é praticamente desconhecida, exceto para os estudiosos modernos. Como Jan Jansz serve de “exemplo negativo” para definir ou reforçar a normalidade?

[*] Rictor Norton. “A Critique of Social Constructionism and Postmodern Queer Theory”. Gay History & Lierature, 1 de Junho de 2002.

Tradução: Direita Realista

[1] N.E.: (a) Para Lênin “A vida sexual desregrada é um fenômeno burguês, um sinal de decadência.” (b) Em 1869 Karl Marx enviou um dos livros sobre a emancipação uraniana que havia recebido de Karl Heinrich Ulrichs a Engels. Este manifestou o seu repúdio em relação ao tema numa carta endereçada a Marx na qual censurava aqueles pederastas que são contra-natura e considerava a plataforma de Ulrichs pela descriminalização das práticas homossexuais como obscenidades transformadas em teoria. (c) Durante a ditadura de Fidel Castro, nas décadas de 1960 e 1970,  gays e lésbicas foram exonerados de cargos públicos, presos ou enviados a campos de trabalho forçado.

[2] N.E.: Homossexuais são decapitados, enforcados e apedrejados ainda hoje na Arábia Saudita e no Irã, onde a Sharia é a lei. Outros cinco países muçulmanos condenam a prática homossexual com a morte. No passado, Gays eram queimados vivos. Há diversas passagens no Corão onde a história de Sodoma é repetida, com ênfase na destruição da cidade devido a lascívia homossexual. (fonte)

2 comentários

  • Alberto Esteves Gemal

    Por um momento de leitura pude vislumbrar paulo freire ditando suas anti-normas confusas e heterodoxas. E por mais momentos vislumbrei alguns de meus alunos, seguidores do desconstrucionismo neoconstrucionismo conduzido ao caos em que estamos aqui no Brasil, dentro de nossas faculdades federais.

  • Hernani

    Muito interessante!!!!! Precisamos ler tais livros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *