Thomas Sowell: Do Marxismo ao Livre Mercado

Por Thomas Sowell [*]

marxComo e por que eu larguei o esquerdismo de minha juventude para adotar as opiniões que tenho hoje, as quais são a favor do livre mercado e valores tradicionais? De certa forma, minha visão de como os seres humanos agem mudou mais do que a filosofia subjacente.

Quando eu era marxista, minha preocupação principal era em relação às pessoas comuns, pois achava que mereciam melhores condições de vida, mas a elite se aproveitava delas. Essa continua sendo minha maior preocupação, mas conforme os anos se passaram, aprendi que a elite cultural e a elite política fazem muito mais danos do que a elite econômica poderia um dia pensar em fazer.

Há uma explicação: as elites econômicas competem entre si. Se a General Motors não produz um tipo de carro que te agrade, você pode procurar na Ford, Chrysler, Honda, Toyota, etc. Mas se a Agência de Proteção Ambiental (EPA) chega no fundo do poço em relação ao serviço que presta, não há agência alternativa prestando o mesmo serviço ao qual se possa recorrer.

Mesmo quando uma empresa privada parece deter o monopólio da produção de um bem de consumo, como aconteceu com a Alcoa (Companhia de Alumínio da América), ela competirá com produtos alternativos. Se a Alcoa tivesse aumentado o preço do alumínio para aproveitar seu monopólio, muitas coisas fabricadas com alumínio passariam a ser produzidas com ferro, plástico, e outros tipos de materiais. O resultado final das forças do mercado foi, meio século depois do monopólio da Alcoa, o mercado passar a cobrar mais barato pelo alumínio do que cobrava inicialmente. Isso não se deu por altruísmo dos diretores da empresa, mas porque os competidores não lhes deixaram outra escolha.

A forma que você olha para o livre-mercado depende de como você enxerga o ser humano. Se todos fossem amáveis e gentis, o socialismo seria o melhor caminho. Em uma família tradicional, por exemplo, os recursos são gastos com as crianças, pois não ganham nenhum centavo sozinhas. Isso é socialismo doméstico, e até os capitalistas mais mesquinhos o praticam. Talvez um dia descobriremos criaturas em uma galáxia distante que conseguem conduzir uma sociedade inteira dessa forma. Mas a história dos seres humanos mostra que é inviável uma nação com milhões de pessoas funcionar dessa maneira.

O discurso do socialismo é inspirador, mas seus rastros na realidade são sombrios. Países que exportaram comida durante séculos, de repente se viram forçados a importar comida para evitar a fome, depois que a agricultura foi socializada. Isso aconteceu por todo o mundo, com pessoas de todas as raças. Qualquer um que tenha visto o contraste entre Berlim Ocidental e Berlim Oriental, nos tempos em que metade da cidade era controlada por comunistas, não possui dúvidas em relação a qual sistema produz mais benefícios para o povo. As duas partes da cidade eram habitadas por pessoas de mesma raça, cultura e história, mas os que viviam na parte comunista eram muito mais pobres, além de terem menos liberdade.

Uma história parecida aconteceu na África, quando a Gana dependia de programas socialistas e a Costa do Marfim se baseava no livre-mercado, depois que ambos os países se tornaram independentes, na década de 1960. Gana começou com todas as vantagens. Sua renda per capita era o dobro da Costa do Marfim. Mas após duas décadas, com cada país sob influência de um sistema econômico diferente, 20% dos habitantes mais pobres da Costa do Marfim possuíam renda mais alta do que 60% da população de Gana.

Ineficiência econômica não é o pior aspecto de um governo socialista. A tentativa de reduzir a desigualdade econômica com o aumento da desigualdade política, que é a essência do marxismo, custou a vida de milhões de pessoas sob o poder de Stalin, Mao, Pol Plot, e muitos outros. Não se deve confiar o monopólio do poder sobre a vida das pessoas a políticos. Temos milhares de exemplos na história.

A minha vontade de que o povo tenha melhores condições de vida permanece, mas a experiência me mostrou, amargamente, que a maneira de alcançar este objetivo é o oposto do que eu imaginava.

[*] Thomas Sowell,From Marxism to the Market”. Capitalism Magazine, 2 de Janeiro de 2002.

Tradução: Laan Carvalho

Revisão: Rodrigo Carmo

3 comentários

  • Gustavo S. C. Merisio

    Não sei por que o Sowell ainda faz um mínimo agrado à ideia socialista. Já está mais do que provado, por qualquer critério, que o socialismo/comunismo são ineficientes e geram o mau. Refiro-me a um trecho do quinto parágrafo: “Se todos fossem amáveis e gentis, o socialismo seria o melhor caminho”. Ora, de forma alguma! O livre mercado e a liberdade são melhores sempre, o que já foi provado por Mises e Hayek na querela sobre o “Cálculo Econômico em economia socialista”. E dizer que um pai de família bancar seus filhos é “socialismo doméstico”?! Mas que perversão da realidade! Muito metaforicamente isso, quiçá, poderia ser dito, mas a realidade é que a manutenção da família pelos pais é um dever, decorre da ordem natural das coisas, da ordem Divina. E o Sowell sabe disso…
    É claro que essa minha nota é particularíssima e em nada desabona o grandioso mérito desse eminente economista.
    Nenhuma concessão deve ser feita às ideias socialistas/comunistas em si mesmas.

    Parabéns aos Tradutores de Direita!

  • Calib

    Corrijam esta frase, por gentileza: “Não se deve confiar o monopólio do poder sobre a vida das pessoas à políticos”. Não deve haver crase ali. =)
    Continuem traduzindo sempre. Uma das melhores iniciativas da Internet, vocês.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *