Ser Transgênero Não é Mais um Transtorno Mental, mas Jogar Videogame é, diz a Organização Mundial da Saúde.

Por Ryan Saavedra [*]

A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou na segunda feira a 11ª edição de seu manual de Classificação Estatística Internacional de Doenças (CEID), que não mais classifica ser transgênero como um transtorno de saúde mental – mas agora classifica jogar videogames como um transtorno de saúde mental.

Na novíssima versão do CEID, a OMS “removeu as identidades trans-relacionadas de uma lista de transtornos mentais, reclassificando-as como “Condições Relacionadas à Saúde Sexual”, relata o Newshub.

A Organização Mundial da Saúde escreveu:

A incongruência de gênero, entretanto, foi removida da [categoria de] transtornos mentais no CEID, e movida para condições de saúde sexual. A razão sendo que enquanto a evidência é agora clara de que isso não é um transtorno mental, e de fato classificar como tal pode causar enorme estigma para as pessoas que são transgêneros, há ainda necessidades significantes de cuidados de saúde que podem ser melhor atendidas se as condições estiverem codificadas sob o CEID.

Esta é uma notícia fantástica. Será crucial para reduzir o estigma entre as pessoas trans e de gênero diverso”, disse o porta-voz da Comissão de Direitos Humanos da Nova Zelândia Taine Polkinghorne. “Pertencer à comunidade trans ou de gênero diverso não equivale a ter um transtorno mental. Não deveríamos patologizar nem discriminar.

Membros da comunidade trans experienciam uma maior incidência do índice de problemas de saúde mental que o restante do público em geral. O USA Today relata:

Tentativas de suicídio são alarmantemente comuns entre indivíduos transgêneros (…) 41% tenta se matar em algum ponto de suas vidas, comparado aos 4.6% do público em geral.

Desde 2001 mais de uma dúzia de outras pesquisas de pessoas transgêneros mundo afora tem encontrado índices igualmente altos, e o problema tem crescido mais visivelmente desde que o surgimento de Caitlyn Jenner gerou sensibilização sobre as questões de saúde transgênera em geral.

Enquanto isso, a Organização Mundial da Saúde decidiu classificar o excesso de jogos de videogame como um transtorno de saúde mental. A CNN relata:

Assistindo como o videogame ludibria suas crianças, muitos reclamaram sobre a “heroína digital”, associando as imagens brilhantes a uma das substâncias mais viciantes do mundo.

Agora, eles podem ter uma base: a Organização Mundial da Saúde anunciou o “transtorno por videogame” como uma nova condição de saúde mental…

Eu não estou criando um precedente”, diz o Dr. Vladimir Poznyak, um membro do Departamento de Saúde Mental e Abuso de Substância da Organização Mundial da Saúde.

Uma [importante característica do transtorno por videogame] é de que o comportamento de jogar toma prioridade sobre outras atividades ao ponto de outras atividades tornarem-se periféricas”, afirma Poznyak, adicionando que um profissional de saúde tem que fazer um diagnóstico que “não pode ser apenas um episódio de algumas horas ou alguns dias”.

[*] Ryan Saavedra. “Being Transgender No Longer A Mental Disorder, But Playing Video Games Is, World Health Organization Says”. The Daily Wire, 19 de Junho de 2018.

Tradução: Giovanni Russo

1 comentário

  • Nathan Ruivo

    “Uma [importante característica do transtorno por videogame] é de que o comportamento de jogar toma prioridade sobre outras atividades ao ponto de outras atividades tornarem-se periféricas.” Quer dizer então que quem ganha a vida jogando é viciado também, que maravilha!! 😡

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *