Psicólogo: A sociedade está experimentando uma “desvalorização da masculinidade”

Por Annie Holmquist [*]

Há alguns anos atrás, meu pai estava auxiliando um programa para crianças de cidades do interior quando ele foi encarregado de cuidar de um menino de cinco anos muito arteiro. Ele permaneceu com o garotinho durante a manhã, obstinadamente redirecionando seu foco e sua energia incontáveis vezes.

Quando o programa chegou ao fim, o garotinho olhou para o meu pai exausto e expressou sua admiração com uma pergunta simples: “você vai ser o meu papai”?

Eu não pude evitar de pensar nesse episódio quando eu me deparei com um artigo recente na revista Scouting sobre a importância de modelos de conduta masculina para jovens meninos. Citando o médico e autor Leonard Sax, o artigo observou que a sociedade está experimentando uma “desvalorização da masculinidade”, um fato diretamente atribuído à falta de modelos de papéis masculinos na cultura atual.

“Sax argumenta que modelos positivos de conduta masculina são essenciais porque o amadurecimento emocional, diferentemente da puberdade, não acontece automaticamente.

’Toda cultura duradoura possui regras, noções do que significa ser um bom homem’, diz ele. ‘Garotos não nascem conhecendo estas regras. Eles precisam ser ensinados.’

Embora Sax seja rápido em reconhecer que as mulheres podem ensinar muito aos meninos (e os homens podem ensinar muito às meninas), ele diz que os papéis dos sexos são melhores exemplificados e ensinados por alguém do mesmo sexo. Citando o trabalho do antropólogo David Gilmore, ele diz: ‘culturas que duram possuem fortes vínculos através das gerações em que meninos aprendem de uma comunidade de homens e meninas de uma comunidade de mulheres’.”

Já se vão alguns anos que a sociedade de hoje tem defendido a ideia de que diferenças entre os sexos devem ser minimizadas e negadas. Como resultado, as mulheres tomaram a frente, reivindicando sua habilidade de prover e criar uma família inteiramente por conta própria, sem o incômodo de uma presença masculina. Os homens, entretanto, parecem ter ficado mais moles, fracos, e visivelmente menos ambiciosos.

Conforme atesta o Dr. Sax, se queremos uma sociedade de homens fortes e capazes, nós precisamos ter modelos masculinos fortes e capazes. Mas será que nós não estamos matando esses modelos de conduta com nossos esforços para apagar todas as diferenças entre os sexos e nossa tentativa de nos convencermos de que não há diferença entre homens e mulheres?

[*] Annie Holmquist. “Psychologist: Society Experiencing a ‘Devaluation of Masculinity’”. Intellectual Takeout, 4 de Janeiro de 2017.

Tradução: dvgurjao

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *