Por que o voto eletrônico é uma péssima ideia

O especialista em informática britânico Tom Scott mostra por que e como o voto eletrônico é facilmente manipulável. É interessante notar como em diversos momentos a explicação de Scott se assemelha à realidade das eleições brasileiras, desde em 2014 a divulgação do resultado da eleição presidencial feita por uma única pessoa em quem basicamente se devia confiar cegamente — no caso, o ex-advogado do PT Dias Toffoli — até a incessante pregação da Justiça Eleitoral frisando as supostas confiabilidade e transparência do sistema eletrônico.

Tradução: Helio Costa Junior
Revisão: Hugo Silver e Ramiro Freire

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *