‘Passo de atirador’ do Putin desvendado por pesquisadores

E quem diria que James Bond também escrevia cirílico? Vladimir Putin desde seus tempos de jovem moço sempre quis ter sua palhinha no KGB, e por isso se formou como advogado (aconselhado pelo próprio KGB). Antes de terminar seu curso de direito foi chamado para integrar o time, e ainda hoje podemos constatar que se Vladimir algum dia “saiu” do KGB, é notório que o KGB nunca saiu do Vlad.

Esse é o mesmo Vladimir que falou que “primeiramente e antes de mais, vale a pena reconhecer que o sucumbir da União Soviética foi a maior catástrofe geopolítica do século”, mas que recentemente procura um diálogo mais amigável com o nacionalismo russo. Aceitou a religião ortodoxa como a religião oficial do Estado (apesar de a própria igreja fazer homenagens a Estalin e Lenine – ou seja, não se desvinculou de sua influência estatal), e agora procura através do eurasianismo, de Dugin (derrotado num embate escrito pelo professor Olavo de Carvalho), criar uma nova face para a Rússia, misturando alguns elementos da velha Rússia com outras políticas anti-americanas.

Ninguém dúvida que Putin procura reerguer o Urso russo, mas quem tem visto as alianças profanas com a qual procura restaurar a velha glória do império soviético reconhece que toda a nova vestimenta para conseguir esse feito, no fim de contas, visa também reerguer aquele muro que outrora se colapsou com uns bons tapas de liberdade capitalista. Mas Putin olha a democracia com bons olhos? Numa Rússia em que adversários políticos são mortos, e que a velha KGB comanda o barco, é difícil acreditar que sua índole nacionalista seja também democrática. O pior é que tem conseguido aderir adeptos pois, para alguns sedentos, o paternalismo é o sonho molhado de quem não tira a sua cabeça do Estado Gigante, ou porque se espreguiça ao ir atrás das coisas pela própria iniciativa ou porque ainda que acredita que o messias inevitavelmente terá que vir de um.

Texto: Israel Pestana
Tradução do vídeo: Israel Pestana
Revisão do vídeo: Felipe G. Duarte

 

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *