O extremismo islâmico e a maioria pacífica irrelevante

Por Brigitte Gabriel, libanesa cristã:

Há hoje 1.2 bilhões de muçulmanos no mundo. Obviamente, nem todos são extremistas! A maioria dos muçulmanos hoje são pacíficos. Estima-se que os extremistas equivalham de 15% a 25% dos muçulmanos, de acordo com todos os serviços de inteligência ao redor do mundo. Restam-nos ainda 75% de muçulmanos pacíficos.

Mas se levarmos em consideração esta faixa de 15% a 25% da população muçulmana, estaremos falando de 180 a 300 milhões de pessoas dedicadas à destruição da civilização ocidental. Um número equivalente à população dos Estados Unidos. Portanto, por que devemos nos preocupar com os extremistas da faixa dos 15% a 25%? Porque os extremistas são os que matam. Porque são os extremistas que decapitam pessoas e promovem massacres.

Quando analisamos a história, quando aprendemos as lições que a história nos ensina, vemos que a maioria dos alemães eram pacíficos. No entanto, os nazistas tomaram o poder e, como resultado, 60 milhões de pessoas morreram. Quase 14 milhões de pessoas foram colocadas em campos de concentração; 6 milhões eram judeus. A maioria pacífica foi irrelevante.

Quando estudamos a história da Rússia, vemos que a maioria dos russos também eram pacíficos. No entanto, os russos mataram 20 milhões de pessoas. A maioria pacífica foi irrelevante.

Quando estudamos a história da China, por exemplo, a maioria dos chineses era pacífica também. Porém, os chineses mataram 70 milhões de pessoas. A maioria pacífica foi irrelevante.

Quando estudamos a história do Japão antes da Segunda Guerra Mundial, vemos que a maioria dos japoneses eram pacíficos. No entanto, o Japão foi capaz de promover massacres por todo o sudeste da Ásia, matando 12 milhões de pessoas com pás e baionetas. A maioria pacífica foi irrelevante.

No dia 11 de setembro nos Estados Unidos, tínhamos 2.3 milhões de muçulmanos árabes vivendo nos EUA. Somente 19 sequestradores, 19 extremistas, foram necessários para colocar a América de joelhos, destruir o World Trade Center, atacar o Pentágono e matar quase 3 mil americanos naquele dia. A maioria pacífica foi irrelevante.

Tradução: Hugo Silver

Extraído do artigo de T. Becket Adams publicado pelo The Washington Examiner: You may have heard that a Heritage Foundation panel reportedly ‘taunted’ a Muslim student: Watch the video and decide for yourself, 17 de junho de 2014.

1 comentário

  • Matheus

    E levando em consideração que mais de 50% da população muçulmana de países considerados “moderados” ,como Turquia, por exemplo, são a favor da sharia. Portanto, a maioria pacífica não só é irrelevante, como também é inexistente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *