Mais armas de fogo, menos homicídios: 20 anos de evidências

Por Ryan McMaken:


O Pew Resarch Center informou, na última semana,
que a taxa de homicídios caiu, aproximadamente, pela metade, no período entre os anos de 1993 (7 homícidios por 100 mil habitantes) e 2013 (3.6 homicídios por 100 mil habitantes). Durante o mesmo período, o número de mortes causadas por armas de fogo (incluindo acidentes e suicídios) caiu em um terço, de 15.2 para 10.6 mortes por 100 mil habitantes.

Apesar disso, relata o Pew, o povo Americano acredita que os números de homicídios e mortes por armas de fogo estão crescendo nos Estados Unidos. Aqueles que acham que a violência está crescendo deveriam assistir menos televisão e olhar mais ao seu redor. A taxa de homicídos nos EUA está, atualmente, similar aos valores observados em 1950.

Enquanto isso, o número de armas para uso privado (e o comércio de armas em geral) nos Estados Unidos tem crescido substancialmente nas décadas recentes.


Total de novas armas nos EUA (Total = Armas fabricadas nos EUA + Armas importadas – Armas exportadas).
Fonte: Firearms Commerce in the US, Annual Statistical Update. (BATF)

De acordo com o Banco Mundial, estas foram as taxas de homicídios nos EUA desde 1995:


Homicídios intencionais por 100 mil habitantes: Estados Unidos

Abaixo, encontram-se as mesmas taxas, comparadas com o total de novas armas (fabricadas e importadas) nos Estados Unidos (indexados com 1995 = 100%)


Taxas de homicídios vs. Total de novas armas nos EUA

Enquanto isso, observa-se o caso do México, onde o Consulado dos EUA aconselha cidadãos americanos a sequer carregarem canivetes devido às “leis restritivas de armas no México.” Existe exatamente uma loja de armas no México. De forma resumida, a experiência mexicana é um perfeito exemplo do efeito do desarmamento. Uma escassez de acesso legal às armas leva a uma demanda por acesso ilegal.

Abaixo, as taxas de homicídios no México:


Homicídios intencionais por 100 mil habitantes: México.

Políticos mexicanos reclamam que armas são facilmente contrabandeadas dos EUA e que esta é a fonte de seus problemas. Porém, se o acesso às armas é o problema, as taxas de homicídios não deveriam ser muito mais altas nos EUA? Além do mais, se o contrabando de armas fosse um problema no México, isto seria apenas mais uma prova da incapacidade das leis de desarmamento de atingir o seu objetivo.

Naturalmente, não podemos culpar o desarmamento mexicano por tudo, nem podemos apontar o aumento na venda de armas nos EUA como a única explicação para a queda na taxa de homicídios. Porém, podemos afirmar duas coisas, com certeza: (1) O desarmamento mexicano falhou em prevenir o enorme crescimento nas taxas de homicídio, e (2) o aumento no total de armas nos EUA não causou um crescimento na taxa de homicídios.

Tradução: César Pacheco
Revisão: Hugo Silver

Fonte: Mises Institute

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *