Legislação LGBTT Prepara o Terreno Para o Direito dos Pedófilos

Por Jack Minor [*]

Enquanto legisladores e outros funcionários do governo promovem leis a favor dos “gays”, eles estão lançando involuntariamente as bases para proteções especiais para os pedófilos, incluindo o direito de trabalhar com crianças, os defensores da família alertam.

Linda Harvey da Mission America disse que a pressão para conceder igualdade de direitos para os pedófilos irá se tornar mais frequentes que as ações afirmativas de grupos LGBTT.

É tudo parte de um plano para introduzir o sexo para crianças em idades cada vez mais precoces e convencê-las de que a amizade normal é realmente uma atração sexual”, disse ela.

Em 1973, a Associação Americana de Psiquiatria desclassificou a homossexualidade da sua lista de transtornos mentais após um intenso lobby por parte de grupos de direitos homossexuais.

No momento da exclusão, os críticos alertaram que isso levaria à aceitação de outros tipos de desvios sexuais, incluindo a pedofilia. Os defensores do estilo de vida “gay” desdenharam da comparação, insistindo que tal coisa nunca iria ocorrer.

No entanto, parece que os críticos estavam absolutamente corretos.

Em 2003, um grupo de profissionais de saúde mental formou o B4U-Act para iniciar uma pressão lenta, mas inexorável para redefinir a pedofilia como uma orientação sexual, da mesma forma como foi à homossexualidade na década de 1970.

A organização chama pedófilos de “pessoas atraídas por menores”, e o site afirma que seu propósito é “ajudar os profissionais de saúde mental a aprender mais sobre a atração por menores e a considerar os efeitos dos estereótipos, do estigma e do medo.”

Mais tarde o B4U-Act realizou um simpósio em que foi proposta uma nova definição de pedofilia para o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos de Saúde Mental da APA.

Em 2010, dois psicólogos no Canadá foram manchete nacional quando declararam que a pedofilia é uma orientação sexual, assim como o homossexualismo.

Van Gijseghem, psicólogo e professor aposentado da Universidade de Montreal, disse aos membros do Parlamento, “Pedófilos não são simplesmente pessoas que cometem um pequeno delito de tempos em tempo. Pelo contrário, eles têm conflitos com o que equivale a uma orientação sexual exatamente como outro indivíduo pode estar em conflito com a heterossexualidade ou até mesmo a homossexualidade.”

Ele continua: “Os verdadeiros pedófilos têm preferência exclusiva por crianças, o que é a mesma coisa que ter uma orientação sexual. Não se pode mudar a orientação sexual de uma pessoa. Apesar disso, ele poderá permanecer numa vida de abstinência”.

Quando questionado se ele estaria comparando pedófilos a homossexuais, Van Gijseghem respondeu: “Se, por exemplo, você estivesse vivendo numa sociedade em que a heterossexualidade fosse condenada ou proibida e você recebesse ordem de passar por terapia para mudar sua orientação sexual, você provavelmente diria que isso é um pouco doido. Em outras palavras, você não aceitaria isso de forma alguma. Eu uso essa analogia para dizer que sim, realmente sim, os pedófilos não podem mudar sua orientação sexual.”

Dr. Vernon Quinsey, professor emérito de psicologia na Queen’s University em Kingston, Ontario, concordou com Van Gijseghem e disse que os “interesses sexuais” dos pedófilos fazem com que eles tenham “preferência por crianças pré-púberes” e que “não há nenhuma evidência de que esse tipo de preferência pode ser mudado por meio de tratamento ou por meio de qualquer outra coisa”.

Em julho de 2010, a Harvard Health Publications, declarou: “A pedofilia é uma orientação sexual e não é susceptível a mudança. O tratamento tem por objetivo capacitar alguém a controlar seus impulsos sexuais.”

Se a APA declarasse a pedofilia uma orientação sexual em pé de igualdade com a homossexualidade, haveria um grande alcance para as leis anti-discriminatórias existentes.

O processo comum tem sido os defensores do homossexualismo adicionar “orientação sexual” a uma lista de fatores não-discriminatórios nas cidades e estados.

No entanto, essas referências não são dirigidas especificamente em relação ao homossexualismo e poderiam ser interpretadas para proteger uma série de outras pessoas com “orientações”, como bissexuais e transgêneros.[1]

Os defensores do estilo de vida LGBT negam veementemente a conexão, insistindo que leis de consentimento de idade impediriam pedófilos de reivindicar os mesmos direitos que os homossexuais no emprego, habitação e outras áreas.

Pelo valor nominal, a alegação parece ter mérito, no entanto, o problema é os psicólogos estabelecerem uma distinção nítida entre pedófilos e molestadores de crianças.

Dr. Gregory Herek, membro da APA e da Associação para a Ciência Psicológica e antigo vencedor do Prêmio APA por Contribuições Notáveis a Psicologia, argumentou sobre a questão em um artigo intitulado “Fatos Sobre a Homossexualidade e Molestamento Infantil.”

Herek diz que o problema é a pessoa comum não conseguir entender a terminologia correta, a qual ele diz ser “confusa” e “ardilosa” sobre pedófilos.

Pedofilia e abuso sexual infantil são usados de maneiras diferentes, até mesmo por profissionais”, afirmou Herek. “Pedofilia geralmente se refere a um distúrbio psicológico de um adulto caracterizado por uma preferência por crianças pré-púberes como parceiras sexuais, esta preferência pode ou não ser posta em prática.”

Ele diz que, por outro lado, a molestação da criança e o abuso sexual infantil referem-se a ações tomadas pelo agressor.

Com base nesta definição, um pedófilo não transgrediu nenhuma lei, já que ele não se envolveu efetivamente em um ato sexual com crianças. Analistas dizem que, não infringindo nenhuma lei, se a pedofilia fosse declarada uma orientação sexual, entraria na categoria definida por orientação sexual de todos os estatutos legais apropriados.

Isso pode ser especialmente problemático para os empregadores que contratam pessoas para trabalhar com crianças, como em creches ou escolas. Se um pedófilo fosse concorrer a um emprego, desde que ele alegasse que não tenha se envolvido em ato de abuso sexual infantil, uma alegação de discriminação pode ser sustentada se ele for rejeitado com base na sua “orientação sexual.”

Harvey diz que, embora atualmente existam leis com idade de consentimento que proíbem os adultos de se envolver em relações sexuais com crianças, há uma pressão para mudar isso.

Há pessoas que defendem a liberdade sexual que têm tentado diminuir a idade de consentimento durante bastante tempo”, disse Harvey. “Uma das coisas que eu vejo acontecendo é que eles estão indo ativamente na defesa da libertação e capacitação dos jovens para serem quem são. Eles estão tentando desestigmatizar o sexo com adolescentes e crianças pré-púberes.”

Por exemplo, eles vão promover que nas leis anti-bullying não há nada de errado com um jovem de 16 anos ter relações sexuais com uma criança de 11 anos de idade. Depois de se derrubar a barreira e estabelecer que isso é uma orientação sexual porque isso é algo que as pessoas simplesmente fazem, o salto para a pedofilia fica evidente.”

Ela observou que o processo que está sendo aplicado em profissionais de saúde mental pelo B4U-Act é o mesmo que ocorreu na década de 1970.

A definição dos psicólogos sobre pedofilia e abuso sexual de crianças é muito importante. Eles querem primeiro estabelecer a idéia de uma identidade de pessoas que são atraídas por crianças,” disse ela. “O próximo passo é se vitimizar, dizendo que há pessoas que nutrem ódio por eles e que criticá-los é discurso de ódio, porque é uma orientação e, portanto, eles não podem fazer nada quanto a isso.”

Eles raciocinam que, se eles nunca colocarem em prática seus impulsos sexuais por crianças, então qual é o problema? O senso comum diz que, se eles têm esses sentimentos atuarão em conformidade com isso.

Não é inato, assim como não existe uma base biológica para a homossexualidade. No entanto, o lobby militante para pedófilos vai defender o seu direito de ter essa orientação e é aí que eles querem chegar em primeiro lugar. Eles não defendem o comportamento de imediato, porque eles sabem que as pessoas os reprovarão por isso, mas eles vão com a idéia de falar o que você quer ouvir, porque você não sabe o que se passa na cabeças deles.”

Há também aqueles que defendem a legalização da pornografia infantil, alegando que esta ajuda a evitar que os pedófilos se tornem molestadores de criança.

Milton Diamond, professor da Universidade do Havaí e diretor do Pacific Center for Sex and Society, uma vez afirmou que a pornografia infantil pode ser benéfica para a sociedade, porque “os criminosos sexuais potenciais usam pornografia infantil como um substituto para o sexo contra as crianças.”

Diamond é um professor famoso do Institute for the Advanced Study of Human Sexuality, em San Francisco. O IASHS defendeu abertamente a revogação da proibição, da época da Guerra Revolucionária, de homossexuais no serviço militar.

Em seu site, a lista do IASHS de “direitos sexuais básicos”, inclui “o direito de se envolver em atos ou atividades de qualquer natureza sexual, desde que não envolvam atos não consensuais, de violência, de constrangimento, coação ou fraude.”

Outros direitos são para “ser livre da perseguição, condenação, discriminação ou intervenção da sociedade no comportamento sexual privado” e “a liberdade de qualquer pensamento sexual, fantasia ou desejo.” A organização também diz que ninguém deve estar “em desvantagem por causa de sua idade.”

O que deve ser ainda mais alarmante para os pais é que a APA tem minimizado qualquer problema de saúde mental que as crianças possam experimentar resultante do abuso sexual por parte de adultos.

Em 1998, a APA publicou um relatório afirmando que “o ‘potencial negativo’ do sexo entre adultos com crianças foi ‘exagerado’ e que ‘a grande maioria dos homens e mulheres não relatou nenhum efeito sexual negativo em suas experiências de abuso sexual quando crianças.’”

O WND relatou anteriormente leis em estados como Califórnia e Nova Jersey proibindo a chamada terapia de conversão “gay” que pode impedir os profissionais de saúde mental de oferecer aconselhamento para pedófilos.

O procurador Mat Staver, presidente do Liberty Counsel, que entrou com uma ação contra a legislação da Califórnia, disse que sob a linguagem do projeto de lei um conselheiro de saúde mental pode ser sancionado se houver uma tentativa de “forçar” um pedófilo a mudar seu comportamento ou falar negativamente sobre o comportamento.

Se alguém fosse dizer que sua orientação sexual é por crianças pequenas e um profissional de saúde mental licenciado fosse desaconselhar essas tendências ao invés de encorajar o comportamento seria problemático e pode resultar em um código de violação ética pelo conselheiro,” disse Staver. “Esta é uma questão que está claramente à espreita no presente Estatuto.”

Essa linguagem é tão ampla e vaga, que, sem dúvida, poderia incluir todas as formas de orientação sexual, incluindo a pedofilia,” disse Brad Dacus, presidente do Pacific Justice Institute. “Não é apenas a orientação que está protegida, a conduta associada à orientação é protegida também.”

Talvez muitos não tenham percebido que o governo federal já concedeu status de proteção aos pedófilos.

A Lei de Prevenção de Crimes de Ódio de Matthew Shephard e James Byrd Jr. lista “orientação sexual” como uma classe protegida, no entanto, não define o termo.

Republicanos tentaram incluir uma emenda especificando que “a pedofilia não é reconhecida como uma orientação.” No entanto, a alteração foi derrotada pelos democratas no Congresso pouco depois do presidente Barack Obama tomar posse.

O Rep. Alcee Hastings (D-Flórida), afirmou que todos os estilos de vida sexuais alternativos devem ser protegidos pela legislação.

Este projeto aborda a nossa vontade de acabar com a violência com base no preconceito e garantir que todos os americanos, independentemente de raça, cor, religião, nacionalidade, sexo, orientação sexual, identidade de gênero, ou deficiência, ou todas essas ‘filias’, fetiches e ‘ismos’ que foram apresentadas não precisam viver com medo por causa de quem eles são. Exorto os meus colegas a votar a favor dessa regra.”

[*] Jack Minor. “Gay laws set stage for pedophilia rights”. World Net Daily, 18 de Julho de 2013.

Tradução: Direita Realista

[1] As parafilias são substituições do coito sexual para se chegar ao prazer. São considerados também parafilias os padrões de comportamento em que o desvio se dá não no ato, mas no objeto do desejo sexual. O homossexualismo é apenas um dos diversos tipos de parafilia, que inclui formas de “orientação” como estupro, voyerismo, pedofilia, necrofilia, zoofilia, hebefilia, sadismo, frotteurismo, incesto, etc.

2 comentários

  • José Roberto Sobral de Oliveira.

    Aí eu pergunto, como podem querer que eu respeite o ponto de vista desse bando de animais? Estão fazendo de tudo pra jogar na lama os conceitos bíblicos e os padrões éticos e morais pra formação de pessoas normais.

  • Edy Sá

    Misericórdia, Senhor! O futuro se mostra tão sombrio😢

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *