Ex-agente da FSB: A Rússia está envolvida com os ataques terroristas.

Ex-gente da FSB diz à TSN.Tyzhden: A Rússia está envolvida nos ataques em Londres, Paris, e com o ISIS.

1449457107-5805

O programa semanal da TSN.Tyzhden transmitiu uma entrevista com um ex-agente do Serviço Secreto Federal Russo (FSB), que pode iniciar um verdadeiro escândalo de espionagem. Especulou-se por muito tempo que fantoches do Kremlin estão por trás dos ataques terroristas na Europa e nos Estados Unidos, mas nenhuma confirmação tinha sido apresentada. O experiente agente, ex-oficial do FSB, especializado em organizações terroristas e unidades anti-terroristas está dando depoimento.  

Uma entrevista deste tipo é um passo extremamente perigoso para um agente do alto escalão da FSB. Mas ele decidiu romper com o passado. A razão pela qual ele fugiu da Rússia não é ideológica, mas sim pessoal, de acordo com o canal TSN.Tyzhden.

Especialistas ucranianos checaram duas vezes a validade do testemunho, usando um polígrafo, e os resultados foram claros: tudo o que ele disse ao jornalista é verdade. Yevgeniy afirma que há agentes russos presentes nos grupos terroristas islâmicos, e que Moscou possui grande influência em suas atividades.

“Guiados por boas intenções, os ativistas de direitos humanos da Europa ajudariam as pessoas perseguidas a fugirem de seus países. Entre eles estavam os infiltrados, com documentos e histórias forjadas. Eles se infiltrariam nas comunidades islâmicas. Com o suporte do serviço secreto, eles recebem doações financeiras, então adquirem prestígio e sobem na hierarquia.” Conta Yevgeniy à jornalista da TSN, Andriy Tsaplienko.

— E como o esquema foi criado?

— É dado um pacote com documentos a determinada pessoa, um passaporte de viagens, documentos que comprovem a perseguição no país de origem, mencionando casos abertos pela FSB ou pelo Ministério Interior da Chechenia e Daguestão, recortes de jornais sobre o envolvimento da pessoa com grupos armados ilegais, sobre ela ter sido perseguida. Então o sujeito seria monitorado até concluir a infiltração. Ninguém contatou a pessoa por um ano, ou mais. Passado algum tempo, alguém, por exemplo, um dos anciões da Chechenia que têm conexões com a FSB e ao mesmo tempo com a diáspora, contata o indivíduo. Neste estágio o suporte financeiro chega, é dado primeiro milhares de dólares, depois dezanas de milhares de dólares para sustentar a família, começar um negócio, cobrir a atividade de espionagem.

De acordo com Yevgeniy, agentes russos foram uma ferramenta para os ataques terroristas na Europa. A tarefa deles foi minar a situação e criar o chamado “conflito multicultural”. Começando em 2009, houve vários motins na Inglaterra entre locais radicais e muçulmanos. Em 2011, três pessoas morreram nestes motins.

— A FSB estava por trás dos motins de Londres?

— Se você fala dos motins de 2009, 2010 e 2011 quando houve pilhagens de lojas — tudo foi executado de acordo com os planos aprovados pela FSB e SVR, tempos atrás.

— E como conseguiram agravar a situação?

— Com ajuda daqueles que receberam dinheiro, eles o compartilharam para inflar a situação, apenas para desestabilizar.

— Há alguma prova que sugira o envolvimento dos serviços secretos Russos nos ataques terroristas em Paris, ou ao menos que eles sabiam que iriam acontecer?

— Levando em conta o potencial deles nas comunidades Islâmicas Européias, não havia como eles não saberem que o ataques terroristas estavam sendo planejados. Eles sabiam, mas não compartilharam…

— Seria cumplicidade?

— Cumplicidade com ataques terroristas, e ela pode ser direta ou indireta. Ao analisar as conexões deles, uma, é claro, poderá mostrar os laços que levam à Russia. Principalmente a Rússia poderia se beneficiar disto, e o serviço secreto russo tinha todas as possibilidades para organizar isto.

 Você pode citar algum agente russo nas estruturas islâmicas, dar o nome das pessoas que deram dinheiro para desestabilizar a situação?

— Um filho, e dois sobrinhos do chefe de segurança do Hezbollah. Tempos atrás moraram em Moscou, hoje eles residem na Europa, e o SVR gerencia a célula Árabe-Libanesa através deles.

O TSN descobriu quem são os parentes de Abdul Hadi Hamadi, diretor da unidade contraespionagem do Hezbolah. A propósito, desde 2006, Moscou não considera este grupo uma organização terrorista. Yevgeniy afirma que Moscou está ativamente envolvida com grupos visivelmente terroristas, e é contra estes mesmos grupos, chamados “Islamic State”, ou ISIS, que a Rússia supostamente trava uma guerra.

— Alguém pode afirmar que a Rússia, o serviço secreto Russo, está envolvido com a criação do ISIS?

— Parcialmente. Como na situação com os ataques em Paris, virtualmente eles foram cúmplices do ataque.

Após a divisão da organização terrorista Al-Qaeda, ex-oficiais do exército iraquiano e membros do Partido Socialista Árabe Ba’ath, começaram a criar o ISIS. Todos eles graduaram-se em instituições com matriz em Moscou.

“Definitivamente, e sei muito bem disso, o serviço secreto Russo acreditava que se uma organização terrorista fosse montada como um alternativa à Al-Qaeda, e criasse problemas para os Estados Unidos, como Donbas cria para a Ucrânia hoje, seria muito bom,” diz Yevgeniy.

O conhecimento do antigo oficial, de como agentes Russos trabalham em conjunto com radicais islâmicos e militantes do Donbas é valioso para a Ucrânia. E ele também sabe que o demônio da FSB não é tão feio como o pintam. Por enquanto, para ele não há volta para casa. “Mas isso não durará muito tempo. Afinal, o gigante tem pés de barro.”

Tradução: Hélio Costa Jr.
Revisão: Flávio Ghetti

Fonte: http://goo.gl/MGLUVN

1 comentário

  • o governo russo faz jogo duplo enquanto enquanto esta envolvida com ataques terroristas na Europa e envolvida com grupos terroristas, ele faz o outro jogo de se dizer salvador do mundo ocidental, dos valores cristaos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *