Esquerda em Fúria! Psiquiatra chefe do Johns Hopkins diz: transgênero é um “transtorno mental”

Por Scott Osborn [*]

Um psiquiatra proeminente no Hospital Johns Hopkins, Dr. Paul R McHugh, afirma que os indivíduos transexuais sofrem de uma forma de doença mental e que a transferência de gênero é “biologicamente impossível”.

Seguindo a decisão da Faculdade Americana de Pediatria de que o Transgenerismo das Crianças é um Abuso Infantil, os snowflakes estão surtando!

Dr. McHugh também afirma que as pessoas que endossam a transferência de gênero estão, na verdade, apoiando um transtorno mental.

De acordo com o CNS News:

O Dr. Paul R. McHugh, ex-psiquiatra chefe do Hospital Johns Hopkins e seu atual Professor Ilustre de Psiquiatria, disse que o transgenerismo é um “transtorno mental” que merece tratamento, que a mudança de sexo é “biologicamente impossível” e que as pessoas que promovem a cirurgia de mudança sexual estão colaborando para e promovendo um transtorno mental.

O Dr. McHugh, autor de seis livros e de pelo menos 125 artigos médicos revisados por pares, fez suas observações em um comentário recente no Wall Street Journal, onde explicou que a cirurgia transexual não é a solução para pessoas que sofrem de “transtorno de ‘suposições’” – a noção de que sua masculinidade ou feminilidade é diferente do que a natureza lhes atribuiu biologicamente.

Ele também relatou um novo estudo mostrando que a taxa de suicídio entre transgêneros que passaram pela cirurgia de mudança de sexo é 20 vezes maior do que a taxa de suicídio entre pessoas não-transgêneras. O Dr. McHugh salientou ainda estudos da Universidade de Vanderbilt e da Clínica de Portman, em Londres, sobre crianças que expressaram sentimentos transexuais, mas que 70% a 80%, delas “perderam espontaneamente esses sentimentos” ao longo do tempo.

O Dr. McHugh conclui seu texto afirmando que aqueles que apoiam a mudança de gênero apoiam um transtorno mental:

No coração do problema está a confusão sobre a natureza do transexual. A “mudança de sexo” é biologicamente impossível. As pessoas que se submetem a uma cirurgia de mudança de sexo não mudam de homens para mulheres ou vice-versa. Em vez disso, eles se tornam homens feminizados ou mulheres masculinizadas. Afirmar que isso é matéria de direitos civis e encorajar a intervenção cirúrgica é, na realidade, promover e colaborar com um transtorno mental.

E para enfurecer os esquerdistas ainda mais, ele acredita que se você entrar na prisão como um homem, você deve esperar sair para ter uma transferência de gênero!

Existem subgrupos de transexuais e, para nenhum, a “transferência” parece adequada. Um grupo inclui prisioneiros masculinos como o recruta Bradley Manning, o vazador de segurança nacional que agora deseja ser chamado de Chelsea. Diante de sentenças longas e dos rigores de uma prisão masculina, eles têm um motivo óbvio para querer mudar seu sexo e, conseqüentemente, sua prisão. Dado que eles cometem seus crimes como machos, eles devem ser punidos como tal; depois de cumprir a pena, eles serão livres para reconsiderar seu gênero.

A esquerda, como se poderia esperar, reagiu rapidamente com garras totalmente para fora.

O Think Progress descreveu a Faculdade Americana de Pediatras como um “grupo de ódio disfarçado de pediatras”.

O Huffington Post disse:

“Mais uma vez, Paul McHugh usou o nome cada vez mais manchado da Johns Hopkins para distorcer a ciência e propagar desinformação transfóbica”.

A Faculdade Americana de Pediatras emitiu uma declaração na semana passada condenando a reclassificação de gênero em crianças, afirmando que o transgenerismo em crianças equivale a abuso infantil.

Há histórias alarmantes de pais tratando seus garotinhos como meninas porque “pensaram que eles haviam se identificado” daquela forma.

Cá entre nós: quando eu estava na segunda série, eu queria ser Cindy do Brady Bunch. Por quê? Não tenho idéia! Eu sei que nunca na minha vida adolescente ou adulta eu quis ser ou me identifiquei como uma mulher. Meus pais nunca souberam. Mas se eles tivessem sabido e fomentado esse faz de conta besta eles poderiam ter me guiado para algo pior. É importante notar que mais de metade da população transgênera considera o suicídio!

Estou certo de que esta é provavelmente uma ocorrência muito comum para crianças pequenas!

Os esquerdistas são assustadores!

[*] Scott Osborn. “Liberals Furious! Johns Hopkins Chief Psychiatrist: Transgender is a ‘Mental Disorder’”. Joe for America, 11 de Setembro de 2017.

Tradução: Cássia H.

Revisão: Yuri Mayal

6 comentários

  • Pingback: Esquerda em Fúria! Psiquiatra chefe do Johns Hopkins diz: transgênero é um “transtorno mental” – Olhar Refletido

  • Alex Oliveira

    Muito boa a matéria, obrigado pela tradução. Bom trabalho!

  • ivan

    MUITO OBRIGADO! O JORNAL NACIONAL DEVERIA APRENDER COM ESTE SITE!

  • Que bom que dei de cara com esse artigo. Ainda vou concluir o curso de Psicologia, mas uma coisa que me incomoda é esse apoio maciço à essa questão de transgêneros. Só de ver documentários de pessoas que passaram por isso, ou então até aquele filme da Garota Dinamarquesa, dá pra ver que o comportamento deles e a visão de si próprios não é normal, é equivalente ao de alguém com anorexia ou bulimia. Os profissionais da área precisam parar de ver isso como progresso.

  • Lucas

    Exelente matéria, realmente muito boa!!

  • Jossi Borges

    Excelente artigo! Cada vez mais temos que desmascarar esse transtorno mental, que os globalistas e esquerdistas querem nos enfiar goela abaixo, como se fosse algo ‘natural’; não é normal, nem natural, nunca foi, nunca existiu. Essa é uma espécie de histeria coletiva, graças à lavagem cerebral feita pela mídia e por ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS financiadas pelo globalismo.
    A ideia final é criar um mundo cheio de psicóticos, de gente desequilibrada, neurótica, alucinada. Para ajudar ainda querem liberar a maconha.
    Se isso não for parado, em poucas décadas teremos (nós, normais), teremos que fugir para as montanhas, porque seremos caçados pelos loucos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *