Escola na Califórnia converte seus banheiros em “sanitários de gênero neutro”

A reportagem a seguir foi publicada no portal Fusion no dia 3 de setembro de 2015.

Os estudantes do jardim de infância na Escola de Ensino Fundamental de Miraloma, em San Francisco (Califórnia, EUA), têm acesso somente a sanitários únicos ou banheiros unissex. Nada de sanitários para meninos ou para meninas. Apenas sanitários.

Há pelo menos oito estudantes de gêneros não-conformes na escola, que variam entre menina-menino até transgênero, de acordo com o diretor Sam Bass em entrevista ao San Francisco Chronicle. Três estudantes da primeira série se identificam como transgênero.

Em 2013, o estado da Califórnia implantou leis que permitem aos alunos se utilizarem de “instalações consistentes com sua identidade de gênero, independentemente do gênero declarado em seu registro escolar”. Porém, a escola de Miraloma parece ser uma das primeiras escolas públicas no país a converter todos os seus sanitários em instalações de gênero neutro.

“Algumas escolas de ensino fundamental no distrito criaram espaços exclusivos para estudantes no espectro de gênero. Aqui em Miraloma, fomos a primeira escola do ensino fundamental no distrito a dizer que isso não era suficiente” — publicou Bass no site da escola.

Até o momento, apenas alunos do jardim de infância e da 1ª série têm acesso a sanitários de gênero neutro, mas a escola tem planos para que todos os alunos de todas as séries usem este tipo de sanitário no futuro.

“A conversão dos sanitários para alunos da 4ª e 5ª séries começará durante o ano letivo de 2018-2019, quando os estudantes da 1ª série deste ano chegarem à 4ª série” — publicou o diretor Sam Bass no site da escola.

Os 368 alunos são relativamente diversos para as escolas públicas de San Francisco. No ano letivo de 2013-2014, aproximadamente 52% dos alunos eram brancos, 15% eram asiáticos e 9.8% eram latinos, de acordo com os registros do distrito. A Escola de Ensino Fundamental de Miraloma é também uma das escolas mais prósperas do distrito. Aproximadamente 16% dos alunos recebem programas de merenda gratuita ou com desconto, em contraste com os 54% de todo o distrito. Programas de merenda gratuita ou com descontos indicam que os alunos vêm de famílias de baixa renda e da classe trabalhadora.

Bass alega que instalações de gênero neutro são boas para todos os alunos, não somente para os de gênero não-conformes.

“Não só queremos que todos os nossos alunos se sintam seguros, apoiados e confortáveis para serem quem eles são, mas queremos também que eles aprendam o que é igualdade sistemática para todos” — publicou no site da escola.

Fonte: Fusion.net
Tradução: Bruno Menezes de Oliveira
Revisão: Hugo Silver

2 comentários

  • Eduardo Araújo

    É o reinado da hipocrisia:

    “queremos que todos os nossos alunos se sintam seguros, apoiados e confortáveis para serem quem eles são”

    Todos?!?!?

    Até se for um cristão de família que não concorde com essa estupidez muderninha?

  • Mariazinha

    Resumindo: haverá mais harmonia e paz no mundo se negarem a biologia. Para que criar toda essa confusão na cabeça das crianças? Essa praga do politicamente correto ataca outra vez!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *