Donald Trump ainda no topo das pesquisas. Rush Limbaugh: “O Partido Republicano está aprendendo algo? Porque deveria.”

trumpRush Limbaugh, o radialista de maior sucesso dos EUA, fez um comentário em seu programa de ontem [27/08/2015, quinta-feira] a respeito da nova pesquisa para a nomeação do candidato republicano à corrida presidencial. A pesquisa da Quinnipiac University, referente ao período entre 20 e 25 de agosto, aponta para uma vitória esmagadora do empresário Donald Trump com 28%.

RUSH LIMBAUGH: “Trump diz à cúpula republicana que abrirá mão de uma candidatura independente.” Isso de acordo com fontes. Donald Trump também opinou sobre o que aconteceu na Virgínia ontem [26/08, quarta-feira: “Dois jornalistas são mortos nos EUA por atirador durante transmissão ao vivo”]. Ele diz que a saúde mental é o problema, não as armas.

Temos notícias do lado democrata. Joe Biden não sabe se tem o combustível emocional para uma corrida presidencial. E a propósito, ele fez esse comentário no que ele pensava que era uma reunião privada extra-oficial. Ele estava falando com outros democratas — alguns deles eleitos —, captadores de recursos e outros.

Bem, disseram-nos que ele pensava ser extra-oficial. Não sei mais em que acreditar. Eu pensaria que qualquer político saberia que o que diz em qualquer lugar será relatado por alguém. Mas eles têm dito que foi uma reunião extra-oficial com Biden falando francamente com eles. Ele não está certo se tem o que é necessário, mas de qualquer forma, ele tem o melhor índice de favorabilidade dentre os concorrentes de ambos os partidos.

Gopoll

Eleição republicana para a candidatura à presidência em 2016: Donald Trump, 28%; Ben Carson, 12%; Jeb Bush, Ted Cruz e Marco Rubio, 7%; Scott Walker, 6%; John Kasich e Carly Fiorina, 5%. Os dados da Qunnipiac University foram divulgados dia 27 pela emissora CNN e são relativos aos dias de 20 a 25 de agosto.

E ele concorreria um bocadinho melhor do que Hillary Clinton na eleição geral, de acordo com uma nova pesquisa nacional da Quinnipiac University publicada hoje [27/08, quinta-feira], que mostra que Trump abriu vantagem para 28%. Ben Carson vem em segundo com distantes 12%. É gente de fora [um empresário e um neurocirurgião que não têm carreira política] que está triunfando no lado republicano. No lado democrata, parece que eles querem qualquer um, menos Hillary. Digo, Hillary é… Os aspectos negativos estão se empilhando. Falta de honestidade, de confiabiliade… Então não sabemos o que ocorrerá. E a Biden foram dadas as bênçãos do Papa Obama para que ele vá adiante.

Então, é uma situação agitada. O establishment republicano prossegue continuamente atordoado. Eles simplesmente não entendem. Todo santo dia alguém das profundezas do establishment republicano escreve um texto de opinião que alerta os apoiadores de Trump que eles acabarão decepcionados — sobre como Trump não é quem eles pensam. E se eles não tomarem cuidado, realmente se decepcionarão. Ou ainda, vocês verão outro texto para o qual Trump é um velhacão intrujão, um paspalho gelatinoso, um fanfarrão leviano. Ele não é quem diz que é. Ele não é realmente um conservador. Ele não é nem mesmo republicano. Ele provavelmente está trabalhando para sabotar os republicanos com um acordo secreto feito com os Clintons. Digo, todo esse tipo de coisa que está vindo de figuras do establishment republicano e conservador que pensavam que Trump desapareceria a essa altura.

E eles ainda têm esperança de que Trump não está nessa para vencer, de que ele nem mesmo entrou nessa para vencer, de que há algo mais ocorrendo que ninguém sabe ainda. Mas se vocês pararem e mesmo pensarem que isso é verdade, dêem uma olhada no seja lá o que for que está acontecendo com Trump, em seja lá quais forem suas expectativas — e eu não sei de nada disso. Penso que ele sendo honesto, lhes diria que não anteviu isso. Mas vejam bem o que é o prêmio se estamos falando da presidência dos Estados Unidos. Estamos falando da posição de liderança mas poderosa do mundo. Estamos falando da presidência do maior país do mundo. Estamos falando da posição de líder do mundo livre. Ela não tem como não ser muito sedutora quando você a vê a seu alcance. Se ele entrou nessa não querendo isso, tinha outra coisa em mente, tudo pode mudar. Talvez ele… Quem sabe? Mas está claro que o establishment republicano não tem ideia do que fazer.

Agora, tem algo que eu esperava que poderia ocorrer, e ainda pode. Na verdade, sabem de uma coisa? Não quero lhes contar o que… Não quero fazer profecias autorrealizáveis — que podem se realizar de muitas formas se eu simplesmente as enunciar. Manter-me-ei em silêncio. Meu problema é que sou eu mesmo muito famoso e poderoso, e pelo simples ato de dizer algo, eu poderia alterar o curso dos eventos. E não quero nada artificial interrompendo o escoamento natural e seja lá o que for o desenlace natural de tudo isso.

Mas se eu fosse o establishment? Direi apenas que se eu fosse esses consultores do establishment — que não estão entendendo nada —, eu aprenderia umas verdadeiras lições. Há um conjunto inteiro de momentos com que se pode aprender ocorrendo todos os dias. Todo tipo de coisas em que eles acreditam está se partindo em pedacinhos. Bem, é difícil admitir que você esteve errado. Especialmente se você é um especialista.

Por exemplo, digamos que você acredite que a única forma de os republicanos ganharem é se falarem sobre cooperação. O povo americano está cansado de as coisas não serem feitas. Se você acredita nisso — se acredita que o povo americano quer cooperação, quer que os democratas e os republicanos trabalhem juntos, quer governância, quer isso e aquilo… —, se você acredita nisso, vai ser difícil se libertar dessa ideia. Mesmo se você vir evidências irrefutáveis de que você está errado, será muito difícil se libertar.

Isso serve para qualquer um. Se você acredita com a solidez de uma rocha em algo e vê evidências de que está errado, é difícil abdicar. É dificil admitir que está errado. É difícil admitir que talvez o tempo o tenha superado. É difícil admitir que talvez haja algo lá fora que você não viu. Mas as oportunidades são claras. Não quero ilustrar o que são essas oportunidades apenas porque não quero dá-las impacto.

Eu nunca anunciaria o plano de marketing. Se eu fosse o diretor de marketing em alguma empresa… digamos que meu objetivo seja vender tantos iPhones quanto for possível. Não lhes direi como farei isso. Apenas o farei. Executarei o plano, mas não lhes direi qual é porque não quero dar chances de resistência a ele. Bem, é esse o pensamento que está me forçando a segurar meus comentários aqui na reserva. Não por muito tempo, pois não levará muito tempo para ver se o que estou pensando está acontecendo. Não estou lhes provocando. Estou na verdade fazendo o que penso ser o melhor ao silenciar.

[INTERVALO]

RUSH LIMBAUGH: Trazendo o assunto de volta a Trump. Relatei mais cedo que Trump disse à cúpula republicana que abrirá mão de uma candidatura independente. Em Greenville, Carolina do Sul, ele esteve em um evento de imprensa informal. Um repórter disse: “Há um termo de compromisso no Partido Republicano da Carolina do Sul que os candidatos assinam jurando que apoiarão o eventual nomeado. O senhor assinará o termo de compromisso?”

Trump disse: “Temos muito tempo para pensar nisso porque tenho até 30 de setembro para me lançar candidato independente, e isso é bastante tempo. Então faremos anúncios sobre coisas diferentes nas próximas duas semanas.”

Então agora ele está fazendo a aposta de risco. O relato que tenho é do Huffing & Puffington Post [Limbaugh está dando um apelido depreciativo ao portal de notícias The Huffington Post, portal de esquerda pouco confiável] segundo o qual ele disse à cúpula que abrirá mão de uma candidatura independente.

Agora, eu mencionei ontem que havia uma história sobre a Carolina do Sul… acho que a outra história era sobre a Carolina do Norte, e o terceiro estado acho que era a Geórgia… estados onde o establishment do Partido Republicano ordenaria que para o eventual nomeado, deve-se assinar um termo de compromisso prometendo que não lançarão uma terceira candidatura — que apoiarão o nomeado.

Ocorre-me de saber que na Carolina do Norte isso não é verdade, e não estou certo se na Carolina do Sul também. Poderia ser, mas acho que o que li ontem era algo no qual eles estavam trabalhando. Mas assumirei que posso ter entendido errado. Pode de fato já ser a regra na Carolina do Sul.

Outro repórter perguntou a Trump: “O senhor pode falar sobre o evento no qual está trabalhando com Ted Cruz?”

Trump disse: “Estamos falando de Ted Cruz, que é um bom amigo e gente boa, sobre fazer algo grande nas próximas duas semanas em Washington. Será anunciado. É essencialmente um protesto contra o acordo totalmente incompetente que estamos fazendo com o Irã. E a propósito, mesmo se você o quebrar, eles levarão 150 bilhões! Eles levarão centenas de bilhões de dólares mesmo se você o quebrar, e quer saber o que eu faria? Eu não lhes daria o dinheiro. Não estou nem aí para o que o acordo é. Eu não lhes daria o dinheiro, de forma que o acordo seja anunciado, de forma que o local seja anunciado.”

Então eis Trump dizendo que “sim, estou falando com Ted Cruz. Ele é um bom amigo, é gente boa.” Vejam, Cruz não está o criticando, então Trump diz: “Por que eu deveria ficar bravo com ele? Ele não está me amolando.” — e o mesmo com Ben Carson. “Ben Carson não me amolou. Por que eu deveria criticar Ben Carson?” Então, isso é sobre o acordo com o Irã.

Temos na linha Jason de Bakersfield, Califórnia. Escute, estou feliz que você tenha esperado na linha, Jason. Obrigado por sua paciência. Alô.

JASON: Ei, ótimo falar com você, Rush. Obrigado por todas as verdades que tem espalhado e por todo o seu grande trabalho. Gosto muito do senhor.

RUSH LIMBAUGH: Obrigado, senhor.

JASON: O senhor mencionou uma discussão que teve mais cedo sobre Trump querer ou não ser o presidente dos Estados Unidos. E o senhor teria uma teoria que realmente me despertou, e eu tenho pensado nela. Eu pensei, “Se você olhar todos os candidatos republicanos, pode pensar: ‘Por que raios nenhum desses candidatos parou e percebeu o que está acontecendo com Trump?’ Pode-se perguntar por que eles não disseram: ‘O povo americano está falando. Está na porcentagem crescente de Trump.’”

Tenho uma teoria aqui e estou curioso para ver o que o senhor acha dela. Acredito que Trump está esperando um desses republicanos se levantar e dizer: “Querem saber? Aqui está. O povo americano está falando, e está vindo para o lado de Trump — para suas políticas, crenças… Talvez mesmo se ele tivesse um pouquinho mais de tato.” E acredito sinceramente que o que Trump poderia fazer é, vendo alguém aparecendo para defender suas medidas, recuar e potencialmente apoiar esse alguém.

RUSH LIMBAUGH: Teoria interessante. Não tenho ideia se passa perto disso, se é acurada, se ele se retiraria ao ver alguém querendo carregar a tocha dele. Sabe, o que penso sobre isso agora mesmo é que Trump está provavelmente indo muito melhor do que imaginava. Fanfarronices à parte, Trump está entre aqueles surpresos por o quão bem ele estar indo. Não entenda mal. Não quero dizer que Trump não esperava ir melhor. O ego dele é grande ao ponto de ele achar que fará bem qualquer coisa.

Acho que ele está surpreso com isso, e acho que ele agora esta dizendo: “Sabem, isso podia acontecer.” Ele está começando a ficar sério sobre isso. “Podia de fato, de fato acontecer. É algo grande, tornar-se o líder do mundo livre.” Então veremos. Mas concordo com você. Estou surpreso que… Não, não vou dizer. Prometi mais cedo que não diria, porque não quero macular o escoamento natural dos eventos e seu eventual desenlace, então ficarei quieto. Que bom que você ligou, Jason.

Fonte: Site de Rush Limbaugh

Tradução: Ramiro Freire

Leia também: Elites do Partido Republicano sem entender a atratividade de Trump diante da base eleitoral — Comentário de Rush Limbaugh em 28/08/2015

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *