Conservadores devem confrontar a hegemonia esquerdista na arte

Por Frances Byrd [*]

Tornou-se um mantra popular entre os progressistas afirmar que os conservadores são incapazes de contribuir de alguma forma significativa para a arte ou o entretenimento na América.

Tendo ouvido esta diatribe durante a maior parte da última década em resposta ao meu próprio trabalho, fiquei curioso para descobrir o raciocínio por trás dessa crença. Alguém poderia esperar, ao ouvir tal afirmação denunciando seu próprio talento para vir com uma lista infindável de razões; Ou pelo menos alguns links de alguma pesquisa obscura financiada publicamente. Mas esse alguém estaria errado. A única defesa para a afirmação de que os conservadores não são capazes de criar arte é por não termos alma. Questões de habilidade e estética nem sequer entram em jogo.

Ironicamente, essas mesmas pessoas argumentarão que não há um monopólio sobre as artes na América exercido pelos progressistas. Basta apenas alguns cliques do mouse num site de arte comum ou na amostragem de uma revista de arte popular para ver que isso é mentira. Regularmente eu ouço histórias de outros artistas conservadores que descrevem suas próprias experiências com a lista negra não-oficial para todas as coisas conservadoras nas artes.

Eu moro perto de Atlanta – que esta longe de ser um viveiro de pensamento conservador por qualquer parâmetro. Conheço outros artistas aqui, que estiveram na ativa há muito mais tempo do que eu, que tiveram um tratamento muito pior nas mãos de donos de galerias.

Em seguida, há a miríade de casos descarados de intimidação e incivilidade nas costas dos elitistas da mídia e indústrias de entretenimento. David Mamet e Clint Eastwood são dois exemplos que vêm imediatamente à mente. Para todos os seus protestos sobre os fatores de mercado determinantes dessas coisas (quando lhes convém, é claro), há um desenfreado sistema na indústria das artes e entretenimento restrito apenas para a patota da esquerda. Os elitistas estão simplesmente confortáveis em excluir qualquer um com quem eles discordem.

Então, isso traz-me à questão: Por que temos de aturar isso? Como conservadores, não deveríamos ser capazes de criar um mercado para o trabalho que achamos ideologicamente atraente? A esquerda tem feito isso por gerações; Muitas vezes retratando a América e selecionando indivíduos de maneira muito pessoal e depreciativa. Não é preciso procurar por muito tempo em um arquivo de arte política para encontrar representações humilhantes de todas as coisas conservadoras. Então por que não é permitido para os conservadores mostrar paixão e ideologia em seu trabalho? Temos permissão para pintar águias, bandeiras e Jesus porque é o que se espera de nós. Então somos ridicularizados por nossa falta de imaginação.

Se falarmos dos males de um governo inchado, até mesmo o presidente é incentivado a assegurar às pessoas que somos paranóicos e devemos ser ignorados. Pouco importa o conluio de Shepard Fairey em um projeto de filme com o objetivo de destruir o legado do presidente Ronald Reagan e da primeira-ministra Margaret Thatcher. Nem se preocupa com Michael Moore e suas peças anti-americanas inspirado por um retalho tênue da realidade. No mundo da música e da comédia, somos bombardeados com os males do 1% e George Bush. Você não pode sequer ler literatura barata sem ser esmagado pela política do autor. Compreende?

O que fazemos para mudar esse intercâmbio cultural unilateral? Nós nos envolvemos! Se você é um artista, comece a trabalhar em rede e apoie artistas declaradamente conservadores. Se você é um colecionador, comece a procurar arte conservadora. Isso não significa que tudo o que você criar ou comprar deve se restringir a religião ou patriotismo. Basta fazer um esforço para saber o suficiente sobre a arte e seu criador para apoiar ativamente alguém que compartilha suas idéias. Alguns exemplos notórios são Charlie Daniels, John McNaughton e Jon Voight.

Vamos também fazer um esforço para encontrar artistas emergentes, que precisam de ajuda muito mais do que aqueles já estabelecidos. Eles têm menos tempo e dinheiro para se promover. Aqui estão alguns exemplos:

Ashley Norfleet

Toots Sweet

William Harris

Tonkabell Art

Colby Stephens

Liberty Let’s Roll

Amanda Beck

James Byrd

Nancy Lowe

Ao tomar as rédeas da cultura das elites progressistas, você está “devolvendo-a ao povo”, como eles gostam de dizer. É hora de eles terem uma dose de seu próprio remédio.

[*] Frances Byrd. “Conservative Artists Should Stick It to the (Liberal) Man”. Breitbart, 13 de Maio de 2013.

Tradução: Rodrigo Carmo

Revisão: Israel Pestana

 

4 comentários

  • rapha

    Sim eu concordo com isto.
    O mais irônico é que no Brasil, se você quiser fazer um mestrado ou doutorado você TEM que concordar com os professores marxistas. Eu já pesquisei bastante as grades curriculares e eles te obrigam a ter um pensamento marxista dentro das artes.
    Eu sou desse ramo das artes e já estou visando fazer meu mestrado na Argentina ou em Portugal, onde ambos tem grades curriculares na área das artes que não segue essa mesma linha da esquerda brasileira ditada pelo MEC, nesses paises algumas universidades tem este pensamento, mas tem muitas outras bem mais renomadas que não tem. O mais irônico é que se você fizer um mestrado nesses países, todos aceitam teu diploma, no Brasil você precisa reconhecer o diploma no MEC que é uma burocracia tremenda.
    Os artistas conservadores estão sendo apagados igual como fizeram com o Wilson Simonal, do dia para a noite, um grande cantor e artista, sumiu do mapa. O ramo artístico brasileiro parece os professores de mestrado, que te obrigam a pensar como eles. Você não tem novas ideias, você tem que seguir a mesma que linha que eles. Em outros países tu pode dizer que o céu tem cor rosa, que se tua tese for bem baseada eles aceitam, mas infelizmente Brasil é Brazil.
    Em Hollywood você ve uma atriz como Meryl Strip pagando maior papelão falando aquelas asneiras, mas o povo americano provou que é muito maior que esse povo de esquerda. Achei um milagre o Mel Gibson concorrer ao Oscar com um filme cristão.

  • Luciano Ramos

    Bom dia!

    É uma excelente idéia e estratégia para podermos manter um minimo de equilibrio, eu toco guitarra e estava pensando em fazer um som critico a respeito dos desartistas brasileiros, em especial no campo sertanejo que é a moda do momento, desmascarar assuntos que eles acham lindo como adulterios em geral. Poderia ser feito músicas falando que o ocidente inteiro em suas obras literarias sempre falou de traições e desestruturação familiar, agora eles migraram pra músicas e artes. Quanto mais futilidade, banalidade desavenças mais os artistas são idolatrados e amados, parece o que publico ama o lixo imundo.

  • João Paulo Saragossa

    Procuro artistas conservadores e libertários que estejam dispostos a construir uma alternativa ao monopólio cultural da esquerda no Brasil. Minha ideia é criar um portal na internet com música, artes plásticas, videos, literatura e artigos. Interessados entrar em contato comigo através do email joaosaragossa.dev@gmail.com

  • Pingback: Conservadores devem confrontar a hegemonia esquerdista na arte | Arte Para Liberdade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *