Cinco Crimes Absurdos Que Já Ocorreram Nos Jogos Olímpicos Do Rio

Por Frances Martel [*]

A cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos aconteceu há poucos dias, mas o Rio de Janeiro já foi palco de alguns casos de crimes chocantes, colocando atletas, funcionários e até mesmo oficiais de alta segurança na linha de fogo.

Manifestacao-Rio-Aeroporto

Os moradores antigos do Rio de Janeiro, os cariocas, sabem que sua cidade é um berço de crimes violentos. Igualmente os oficiais brasileiros, que se lamentam para a mídia internacional, contestando relatórios consistentes de mortes por armas porque “historicamente, o Rio é assim“. No entanto, o show tem que continuar, e, com o passar dos dias, os funcionários e atletas estão igualmente descobrindo que a violência não se limita às famosas favelas da cidade, e que os criminosos locais são tão perigosos quanto os outros atletas e os próprios oficiais. Abaixo, encontram-se cinco casos que ocorreram na semana passada:

Uma bala perdida encontrou seu caminho dentro de uma coletiva de imprensa do Hipismo Olímpico

Uma coletiva de imprensa no domingo, para atualizar os repórteres a respeito dos acontecimentos da competição de hipismo nas Olimpíadas, foi interrompida por uma bala perfurando a tenda no local. Não há evidências de que o atirador pretendia acertar algum atleta, e a polícia não identificou de onde saiu o disparo. No entanto, eles abafaram o caso. O Ministro da Justiça, Raul Jungmann, em entrevista afirmou que “uma das hipóteses é a de que alguém que sentiu-se sendo observado e filmado efetuou o disparo”. A bala também pode ter sido destinada a um complexo militar que há nas proximidades.

Uma teoria rapidamente descartada: a bala veio de uma competição de tiros numa área próxima. Sem dúvida, quem atirou não teve intenção alguma, confirmou a polícia.

Uma bombeira foi estuprada por um funcionário da segurança dentro da Vila Olímpica enquanto ela dormia

Este fato ocorreu antes das Olimpíadas tecnicamente terem começado, em 31 de julho, quando a maioria dos atletas já havia se instalado em suas acomodações e dado início aos treinos. A bombeira foi dormir após uma jornada de trabalho de 12 horas, em seu quarto na Vila Olímpica, quando foi interrompida por um funcionário da segurança. “Acordei com ele me beijando e me acariciando, quase deitado em cima de mim”, disse a bombeira não identificada à uma emissora brasileira, afirmando que ela estava muito cansada fisicamente para tirá-lo de cima dela.

Um atleta olímpico porta-bandeira foi expulso da Vila Olímpica por tentativa de estupro

Os oficiais não são a única ameaça de estupro dentro da Vila Olímpica; atletas também foram presos ao tentarem estuprar mulheres no local.

Dois boxeadores olímpicos foram expulsos da Vila por tentativa de estupro: o marroquino Hassan Saada que, conforme relatado, tentou estuprar duas camareiras que trabalhavam no complexo, e o namibiano Jonas Junias Jonas, que também supostamente teria tentado estuprar uma funcionária. Os dois foram expulsos da Vila e presos. Jonas foi o porta-bandeira de seu país durante a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos; ele não terá permissão para competir.

O Ministro da Educação de Portugal foi assaltado e…salvo por cariocas485140-rio-olympics-village-getty

O português Ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, estava saindo de um evento olímpico de ciclismo no sábado à noite com seu porta-voz, quando um homem o atacou, portando facas e tomando alguns de seus objetos de valor, incluindo seu celular. No entanto, Rodrigues teve a sorte de não perder nada durante o assalto, pois moradores locais viram o incidente, abordaram o assaltante e o agrediram até conseguirem recuperar os pertences do português. O assaltante foi hospitalizado após o episódio.

“Foi apenas um susto”, disse Rodrigues aos repórteres, afirmando que aquilo não lhe havia tirado a alegria quanto aos Jogos.

O Chefe de Segurança das Olimpíadas ameaçado com uma faca

Se os ladrões não pouparam ministros estrangeiros, seria inevitável que eles atacassem algum oficial brasileiro também. Felipe Seixas, o coordenador de segurança de eventos especiais no Brasil — o que o torna comandante da segurança das Olimpíadas – também foi assaltado à mão armada. Seixas estava acompanhado de dois policiais à paisana, os quais, entretanto, rapidamente atiraram e mataram um dos assaltantes. Ao verem o companheiro morto, os outros ladrões fugiram. Eles não foram pegos.

[*] Frances Martel. “Five Crazy Crimes That Have Occurred at the Rio Olympics — Already.” Breitbart, 9 de Agosto de 2016.

Tradução: Patricia Maragoni

Revisão: Márcio Flemming

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *