A importância do pai (de acordo com a ciência)

Por Brett and Kate McKay [*]

Em 1960, apenas 10% das crianças eram criadas sem pai em casa.

Hoje, 40% são.

Há muitas razões atrás dessa séria realidade. Aquele caso clichê do homem que abandona a mulher e nunca mais retorna certamente ainda vem à tona.

Mas, algumas vezes, isso se deve ao pedido judicial da ex-esposa pela custódia plena de seus filhos, e um empático tribunal da família concede este pedido, injustamente, 80% das vezes.

E há um crescente número de mulheres – que por variadas razões não pode ou não quer criar seus filhos com um namorado ou marido – que intencionalmente escolhem ser mães solteiras.

Parece que mais e mais as pessoas sentem que pais são opcionais e que mães solteiras podem se virar sozinhas criando seus filhos. Pouco mais de metade dos nascidos entre a geração Millenium têm mães não casadas, significantemente mais que em gerações passadas, incluindo a Geração X. E somente cerca de metade da geração Millenium acredita que uma criança necessita de uma casa com pai e mãe presentes para crescer feliz.

Ainda assim, apesar da tendência na cultura popular em direção à uma maior aceitação de mães solteiras, estudo após estudo empiricamente demonstra que pais têm um papel extremamente importante no desenvolvimento do bem-estar e sucesso de uma criança. Abaixo listamos alguns estudos que mostram exatamente o quanto um pai influencia a vida de seus filhos.

Crianças com pai têm menos chance de viver na pobreza.

As estatísticas sugerem que crianças de casas com pais ausentes têm mais chance de serem pobres. De acordo com o Centro de Censeamento dos EUA, 44% das crianças que vivem em famílias de mães solteiras estavam vivendo na pobreza, comparada com apenas 12% das crianças que viviam em uma família composta de pai e mãe casados.

O Departamento de Saúde Norte Americano relata estatísticas parecidas, que ligam famílias de pai ausente com a pobreza. Em um relatório de 2012 eles demonstraram que crianças vivendo em famílias comandadas pela mãe, sem marido presente, tinham uma taxa de pobreza na casa dos 47,6%, índice 4 vezes maior que em famílias formadas por um casal.

Crianças com pai se desempenham melhor na escola

Um estudo de 2001 feito pelo Departamento de Educação mostrou que estudantes os quais tinham pai altamente envolvido na escola tinham 43% mais chances de tirar 10. Isso era válido para pais em famílias com pais biológicos, para padrastos e para famílias nas quais eram formadas apenas pelo pai.

Por outro lado, estudantes vivendo em lares sem o pai eram duas vezes mais suscetíveis de reprovar do que estudantes que tinham um pai em casa.

Uma preocupação tida por muitos educadores a respeito de garotos é o fato de eles não gostarem de ler. Mas os pais podem ajudar aqui também. Um estudo demonstra que quando o pai lê frequentemente, seus filhos leem mais e tiram maiores notas que garotos os quais seu pai lê pouco ou não costuma ler.

Crianças sem um pai são mais suscetíveis a cumprir pena na cadeia

Jovens em famílias de pais ausentes têm chances significativamente maiores de serem presos do que em famílias compostas de pai e mãe. Isso foi fato ainda em amostras entre diferentes classes salariais. Jovens que com pais ausentes em casa experienciavam as maiores chances de irem para a prisão.

O Departamento de justiça pesquisou 7000 detentos no ano de 2002 e descobriu que 39% deles provinham de uma família de mãe solteira antes de irem para a prisão. Num estudo similar, no qual pesquisou cerca de 14 mil detentas, mais da metade cresceram em casas de mãe solteira.

Crianças com pai são menos suscetíveis de abusarem no álcool e drogas

Uma matéria no Jornal da Família e Casamento mostrou que mesmo após amostras num contexto comunitário, há significativamente maior uso de drogas entre crianças que vivem em famílias com pai ausente.

Em outra pesquisa com 228 garotos, aqueles provenientes de lares de mães solteiras demonstraram maiores níveis de alcoolismo e tabagismo assim como maiores taxas nos testes de delinquência e agressão quando comparados a garotos provenientes de famílias compostas por pai e mãe.

Crianças sem o pai são mais suscetíveis a serem sexualmente ativos na adolescência

Um estudo recente mostrou que pais comprometidos têm o dobro de influência que mães na redução do sexo na adolescência.

Outro estudo que sondou adolescentes dos EUA e Nova Zelândia demonstrou que crianças com pais ausentes eram duas vezes mais suscetíveis de iniciarem precocemente sua vida sexual e sete vezes mais suscetíveis de gravidez na adolescência.

Crianças sem o pai têm mais chances de ficarem obesas

Crianças provenientes de lares sem o pai têm maior risco de se tornarem obesas e sofrerem todos os riscos de saúde que acompanham o excesso de peso.

Mas mesmo que o pai esteja presente, isso não necessariamente significa que seus filhos estarão em forma. Na verdade, diversos estudos demonstram que o pai tem o maior impacto sobre a geral forma e peso de seus filhos.

Em um dos estudos, foi demonstrado que o percentual de gordura do pai, e não da mãe, era o melhor indicador se sua filha ganharia ou não peso quando ficasse mais velha.

Outro estudo mostrou que, novamente o nível de massa corporal do pai (de novo, não o da mãe) está diretamente ligado ao nível de atividade de uma criança.

Crianças com pai tornam-se mais baderneiras (e badernice deixa as crianças fantásticas)

Estudos multiculturais descobriram que algo que os pais ao redor do mundo têm em comum é que eles fazem mais baderna com seus filhos do que as mães. E badernice, de acordo com a ciência, deixa as crianças fantásticas. Como destacamos em um post anterior, badernice torna as crianças resilientes, espertas, moral e socialmente adaptadas.

Crianças com pai são mais suscetíveis a ter um maior vocabulário

Quando se trata do desenvolvimento verbal de uma criança, a crença popular é que a mãe tem o papel mais importante por que, bem, mulheres geralmente passam mais tempo com seus filhos, e mulheres tendem a ser mais faladoras do que homens.

Como Paul Raeburn destaca em seu livro Do Fathers Matter? (“Pais Importam?”, em tradução livre) pesquisas recentes sugerem que, na verdade, pais têm um papel tão, senão mais importante, na fluência verbal de seus filhos. A Professora Lynne Vernon-Feagans e sua equipe conduziram um estudo para medir a influência parental no desenvolvimento dos primeiros anos da infância. O resultado surpreendente de seu estudo foi que pais, não mães, têm muito mais influência na adaptabilidade verbal da criança.

Vernon-Feagans deduz que a razão do pai ter mais influência no desenvolvimento verbal da criança é que como o pai, normalmente, não passa tanto tempo com seus filhos, eles não são tão sintonizados com o desenvolvimento verbal quanto as mães. Consequentemente, enquanto mães usam palavras que as crianças já estão familiarizadas, pais usam palavras desconhecidas, ajudando então a criança a maximizar seu vocabulário e aprender novos conceitos.

Crianças com pais são mais encorajadas a correr riscos saudáveis

Enquanto mães tendem a focar na segurança e bem-estar de suas crianças, pais são mais propensos a encorajar riscos e pensamento independente em seus filhos o que irá beneficiá-los quando adultos. Como o pesquisador de família e casamento, o Professor Brad Wilcox, reparou, pesquisadores descobriram que pais são mais suscetíveis a encorajar seus filhos a conversar com estranhos, assumir desafios e pensarem por si mesmos.

Crianças com pais ganham muitos benefícios adicionais na saúde e felicidade

O Estudo Grant, o mais longevo estudo jamais feito sobre a vida dos homens, descobriu que o pai de um homem influencia sua vida em muitas maneiras exclusivas no seu relacionamento com sua mãe. Pais amorosos passam a seus filhos:

– Maior capacidade de brincar

– Mais divertimento nas férias

– Maior probabilidade de serem capazes de usar o humor como um mecanismo saudável para lidar com situações

– Melhor ajuste e satisfação com a vida após a aposentadoria

– Menos ansiedade e menos sintomas físicos e mentais sob stress nos jovens adultos

Na parte negativa, “não eram os homens com baixa presença materna e sim os com baixa presença paterna que eram significantemente mais predispostos a ter casamentos mais infelizes durante sua vida”. Homens com falta de relacionamento com seus pais também eram “muito mais predispostos a se acharem pessimistas e relatam ter problemas em deixarem outros se aproximarem”.

Se havia alguma dúvida, pais importam, e muito: No fim das contas, o relacionamento de um homem com seu pai, muito significativamente previa sua satisfação geral aos 75 anos – “uma variável que não é nem mesmo sugestivamente associada no relacionamento materno.

Conclusão

Eu sei que algumas vezes criar filhos pode ser desencorajador. Você pode pensar que não tem tanta influência em seus filhos. Eu espero que esses estudos e reportagens te provem o contrário. Seu papel como pai é imensamente importante. Então concentre-se em ser o melhor pai que conseguir. Não é suficiente apenas estar presente. Leia para seus filhos. Envolva-se em sua escola. Faça baderna. Os encoraje a assumir riscos. Mantenha-se em forma. Essas pequenas coisas têm um enorme retorno, em investimento, no bem-estar dos seus filhos.

Se você é pai, mas por qualquer razão não tem tido um grande papel na vida dela ou dele, eu o desafio a assumir e abraçar o seu papel como pai da forma mais abrangente que conseguir. Sim, vai ser difícil e sim nem sempre vai ser legal, mas é sua responsabilidade. Significa que ser homem é a tua responsabilidade.

Se você é uma mãe solteira, não por opção, esses estudos podem parecer desanimadores. Ao contrário, deixe que eles sejam encorajadores e garantam que seu filho seja influenciado por mentores masculinos – por seus tios, irmãos, técnicos, líderes dos escoteiros e semelhantes.

E se você é uma mãe atravessando um divórcio, saiba que apesar de ser natural querer ficar o tanto quanto possível com seus filhos, se seu marido é um cara legal (usando lentes objetivas, não lentes de ressentimento criadas pela separação), é de interesse fundamental de seus filhos compartilhar a custódia igualmente.

Pais em qualquer lugar têm a oportunidade de deixar um grande impacto no mundo. Não subestime sua influência na vida das tuas crianças.

[*] Brett and Kate McKay. “The Importance of Fathers (According to Science)”. Art of Manliness, 19 de Junho de 2015.

Traducao: Guilherme Ortale

Revisao: Israel Pestana

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *