A filosofia conservadora e as lições para nós brasileiros

BillWhittle081020

Bill Whittle

Durante o “Restoration Weekend” de 2012, organizado por David Horowitz, o palestrante Bill Whittle (à direita) discursou para conservadores e membros do Partido Republicano sobre a derrota para o Partido Democrata nas eleições presidenciais. Apesar de considerar o candidato republicano Mitt Romney “uma das pessoas com o melhor caráter moral, desde os tempos de George Washington”, Whittle apontou que Romney e muitos republicanos não parecem acreditar na história do seu partido – e muito menos na filosofia conservadora – e mostra como republicanos e conservadores que realmente acreditam na ideia de uma América conservadora deveriam responder às perguntas tendenciosas da mídia (veja o vídeo abaixo).

Este artigo é motivado por um insight de Bill que é aplicável à situação atual do Brasil. O Partido Democrata (representação oficial da esquerda americana) tem disputado (e vencido) as últimas eleições presidenciais se utilizando de todas as vantagens políticas possíveis, incluindo:

  1. O viés ideológico de Hollywood, onde a maioria dos profissionais é de esquerda e evita contratar pessoas que sejam identificadas com visões conservadoras, além de demiti-las também, como denunciado por Ben Shapiro, em seu livro “Primetime Propaganda”;

  2. O contigente maciço de veículos de mídia esquerdistas, que metodicamente manipulam resultados de pesquisas de opinião, calunia republicanos e conservadores, enquanto encobre escândalos envolvendo democratas;

  3. A disparidade imensa entre o financiamento de ONGs progressistas e conservadoras, denunciada por David Horowitz, em seu livro “The New Leviathan”;

PPComo resultado, os republicanos são demonizados não somente por militantes, mas também pela cultura pop e pela mídia. Para piorar, até pouco tempo atrás, a maioria dos republicanos desconheciam qualquer técnica de agitação política (e mais ainda como se defender delas). David Horowitz, em seu livro “Art of Political War”, apresenta um dos primeiros esforços para difundir os fundamentos da arena política entre conservadores e republicanos.

Com isso, o insight de Bill Whittle é: o partido Democrata está “fazendo tudo certo”, enquanto o partido Republicano “está fazendo tudo errado”. E, mesmo assim, Obama venceu as eleições de 2012 com 51% dos votos, ou seja, por muito pouco. Como é possível um candidato ter todas as vantagens políticas possíveis e vencer com apenas 2% de diferença? A resposta: a mensagem progressista não chega sequer aos pés da mensagem conservadora. Ou seja, basta aos conservadores aprenderem um mínimo sobre como reagir corretamente a este esquema de dominação para vencer não somente a guerra eleitoral, mas também a guerra cultural.DW2

Agora, de volta ao Brasil: Dilma Roussef venceu a última eleição com 51.6% dos votos válidos. Assim como Barack Obama, a petista contou com toda sorte de vantagem política, moral e imoral:

  1. Urnas eletrônicas e apuração secreta pelo TSE, cujo presidente foi advogado do seu partido;

  2. Milhões de reais coletados por impostos, que foram disfarçados de publicidade governamental e incentivos da Lei Rouanet e destinados para que blogueiros e artistas fizessem campanha pela presidente;

  3. Utilização dos Correios em greve para a entrega de material de campanha;

  4. Assassinato da reputação de Aécio Neves, Aloísio Nunes e Armínio Fraga em redes sociais e na propaganda política veiculada na TV;

Agora, some isso tudo à total inépcia do PSDB, e seu comitê de campanha em sequer reagir de forma convincente a estes ataques. Some também aos fatos de que o PSDB, um partido de centro-esquerda, não faz oposição ideológica ao PT, apenas oposição política e que, há décadas, não temos candidatos de direita. Na melhor das hipóteses, tivemos em 2014 um Levy Fidelix e um Pastor Everaldo completamente sem preparo, conhecimento e estrutura emocional (será que eles sequer conhecem as grandes obras conservadoras e liberais, pra início de conversa?). Ainda assim, 48.4% dos votos válidos foram para o candidato tucano, muitos sob a justificativa de “é o que tem pra hoje”.Pegando emprestadas as palavras de Bill Whittle: alguém realmente acredita que as mensagens esquerdistas e conservadoras são equivalentes? É claro que não são.

DWAssim como os conservadores americanos, nós brasileiros precisamos de muito pouco para começar a virar este jogo. Em outra palestra, Bill Whittle deixou isso claro, ao afirmar que a História, em si mesma, é um testemunho do sucesso conservador e do fracasso revolucionário. Se apenas os fatos importassem, a esquerda jamais ganharia uma eleição e, muito menos, o terreno cultural.
Entender as regras da arena política é um belo começo e deixará vários ideólogos e militantes deesesperados. O leitor interessado pode visitar este link para o blog Ceticismo Político, do Luciano Henrique Ayan. Este blog, na opinião deste que vos escreve, apresenta o melhor conteúdo sobre o assunto no país. Este link contém uma palestra de Silvio Medeiros contando a história de David Horowitz e explicando os seus princípios de guerra política. O link também apresenta a tradução de grande parte de uma obra-prima de Horowitz, “Art of Political War” (Arte da guerra política, em tradução livre).

O jogo começou e nem percebemos ainda. Ou aprendemos as regras ou irão jogar por nós.Não caia no discurso de que só intervenção militar resolverá o problema, ou de que “está tudo dominado”. Aprenda as regras do jogo! Isto sim é lutar pelo seu país.

Tradução: César Pacheco
Revisão: Hugo Silver

1 comentário

  • Parabéns pelo excelente conteúdo!
    Gostaria de fazer uma sugestão, para direcionarmos estes conteúdos para crianças, adolescentes, jovens… Sou mãe de uma menina de 10 anos, estuda em colegio particular, mas toda o conteúdo dos livros brasileiros, estão adulterados, pervertidos com omissão da verdade… Estão literalmente reescrevendo a historia do Brasil, com a verdade deles.
    Obrigada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *